"Caso Pesseghini", "Caso viúva negra", "Caso Castelo", "O caso Mensalão" e "O caso Fernanda Lages": analisando o papel encapsulador de expressões referenciais metafóricas e/ou metonímicas

Márcia Ananda Soares Siqueira de Sousa

RESUMO: Apoiados pelas pesquisas de Lima (2012), Sousa (2013) e Sousa e Lima (2015), as quais defendem uma noção mais ampla do encapsulamento, no âmbito da Linguística Textual, este trabalho se propõe a analisar o papel encapsulador que singulariza expressões nominais instanciadas por metáforas e/ou metonímias. Partindo da hipótese da natureza cognitivo-discursiva do encapsulamento, recorremos a uma interface entre a Linguística Textual e a Linguística Cognitiva, a qual é respaldada pela Teoria dos Modelos Cognitivos Idealizados (LAKOFF, 1987 e colaboradores). O corpus deste trabalho é composto por cinco textos que pertencem ao gênero textual notícia e que apresentam as expressões nominais “Caso Pesseghini”, “O caso viúva negra”, “Caso Castelo”, “O caso Mensalão” e “O caso Fernanda Lages”, as quais são designativas de fatos e/ou eventos policiais. Metodologicamente, seguimos parcialmente a proposta de análise elaborada por Lima (2009), na qual nos amparamos para o trato dos aspectos cognitivos inerentes a essas expressões nominais. Por um procedimento mais indutivo, analisamos o comportamento textual de tais expressões, as quais podem funcionar como “introduções” ou “anáforas” de desempenhando funções argumentativas como “orientar o ponto de vista”, “prenunciar o tema/assunto”, e “estabelecer relações intertextuais de referência e de alusão a assuntos relacionados à temática em foco”.

"Maldito comunista!": uma análise discursiva da ironia em um perfil do Twitter

Maria Luiza Girão Ferreira
Mônica da Silva Cruz

RESUMO: Esta comunicação, um recorte da nossa pesquisa de mestrado, propõe-se a analisar o perfil no Twitter nomeado Dino Debochado, página que desenvolve um personagem inspirado na imagem do governador do Maranhão, Flávio Dino, para publicar conteúdo humorístico, utilizando-se usualmente da expressão “maldito comunista!” para referir-se ao gestor. Considerando o emprego desse enunciado com regularidade pela página, foram selecionadas três publicações para uma análise relacionada aos sentidos que a palavra comunista produz ao ser abordada por Flávio Dino durante as eleições de 2014. Para isso, são utilizados como aporte teórico estudos de Michel Foucault, sobretudo, os conceitos de arquivo e a priori histórico e estudos relativos ao funcionamento do discurso político em redes sociais (SARGENTI, 2015). Os resultados parciais da análise demonstram que o perfil apropria-se da identidade política do governador, usando a expressão como validação positiva do termo, antecedido da palavra maldito para produzir efeitos de sentido irônico, sendo a expressão usualmente acompanhada de outras frases que narram algum feito positivo do governador. Assim, essas publicações atuam como meios de circulação da propaganda política de Flávio Dino, usando linguagem despojada para aproximar-se do público, ainda que em período pós eleitoral.

"O VEADO DE HOJE TEM DUAS PATAS" SIGNIFICADOS DA PALAVRA "VEADO" E SUA CONSTITUIÇÃO POLISSÊMICA ENTRE O PERJÚRIO E A AUTOAFIRMAÇÃO DAS MINORIAS LGBTQ+

Davi Batista Lima

RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo analisar diferentes definições dadas por dicionários à palavra “veado” em perspectivas semânticas e discursivas da análise linguística. Como procedimento metodológico analisam-se três dicionários: “Novo Dicionário da Língua Portuguesa;(1913), Michaells (2006), Dicio, Dicionário Online de Português (2018)" considerando-se fundamentalmente datas distintas de publicação, a fim de observar como as definições se apresentam de acordo com o momento histórico de suas publicações e como elas variam não apenas descritivamente, mas também em seu uso real em diferentes contextos sociais. Problematiza-se que relações de poder propiciam significações negativas direcionas a grupos marginalizados, com finalidades depreciativas, mas que também são passiveis de apropriação de tais grupos, contribuindo para uma construção identitária afirmativa, uma vez que, a linguagem, sendo uma ferramenta que possibilita concepções de mundo diversas, contribui para reflexões acerca do olhar da sociedade para alguns conceitos que emergem historicamente. O referencial teórico pauta-se em obras de cunho semântico e/ou discursivo como a “gramatica descritiva do português”, de Mário Alberto Perini (1996), “O discurso lexicográfico: As reedições de dicionários da Língua Portuguesa de Morais” (2003), de José Horta Nunes, “Manual da Linguistica” Márcia Cançado (2005), e a autora de “Problemas de gênero: Subversão da Identidade”, Judith Butler (2010).

"PESSOA QUE É PAGA PARA MATAR": um estudo da variação lexical na capital de São Luís

FLÁVIA SOUZA CHAGAS
GEORGIANA MÁRCIA OLIVEIRA SANTOS

RESUMO: Partindo da concepção de língua como um fenômeno sociocultural heterogêneo, portanto, variável em função de fatores diversos e interrelacionados como naturalidade, idade, sexo, escolaridade, classe social, entre outros, o Projeto Atlas Linguístico do Brasil – ALiB vem realizando a descrição linguística do português falado no país com foco, entre outros aspectos, na variação semântico-lexical que particulariza e identifica o português brasileiro. Buscando contribuir para o cumprimento desse propósito, este trabalho tem como objetivo principal investigar a variação lexical ocorrida na capital do estado do Maranhão, São Luís, para a questão 140 do campo Convívio e Comportamento Social do Questionário Semântico-Lexical – QSL do ALiB: Como se chama a pessoa que é paga para matar alguém? Com base nos pressupostos teórico-metodológicos, sobretudo, da Dialetologia e da Geossociolinguística (CARDOSO(1999), RASKY(2011), ISQUERDO(2003), VILELA(1994)), essa análise busca evidenciar a ocorrência de diferentes variantes lexicais para assassino pago como resultado da variação diatópica considerada a partir das interseções que essa estabelece com as variações diagenérica, diageracional e as resultantes de diferentes níveis de escolaridade. A metodologia que subsidia a pesquisa é a utilizada pelo ALiB. Este trabalho contribuirá, sem dúvida, para um conhecimento mais amplo do português brasileiro e, mais especificamente, para a confirmação da existência, ou não, de falares do Norte, do Nordeste e do Sul.

20 anos da morte da princesa Diana: análise da cobertura do jornal O Estado de S. Paulo

Kélia Regina Pereira Silva Lemos
Cláuberson Correa Carvalho

RESUMO: Há cerca de 20 anos morria a princesa Diana, fenômeno midiático dos anos 80 e 90, alçada à fama mundial após o anúncio de seu noivado com o herdeiro do trono britânico, o príncipe Charles. A partir desse fato, pretende-se analisar a cobertura jornalística sobre os 20 anos da morte da princesa através do jornal O Estado de S. Paulo. Como problema central busca-se compreender de que forma esse acontecimento, mesmo decorridos 20 anos, volta às páginas da mídia. Ao direcionar esta análise para o tratamento noticioso e midiático encontra-se suporte em Traquina (2004); Silva (2005); e Erbolato (1991); em Halbwachs (1990) para a compreensão sobre memória coletiva; e em Morin (1988) e Mouillaud (2002) quanto à finitude humana. As reflexões sobre a morte midiatizada têm base em Ribeiro (2015) e Barbosa (2004). Para a análise utiliza-se o Protocolo de Análise de Cobertura Jornalística (SILVA; MAIA; 2011); e foram selecionados cinco textos publicados pelo jornal no aniversário de 20 anos da morte da princesa. Assim, busca-se aprimorar as discussões sobre as coberturas jornalísticas da morte de figuras célebres, bem como analisar o jornalismo enquanto agente de construção e manutenção da memória coletiva de um povo.

A (im)polidez em interações virtuais professor x aluno: um projeto de pesquisa

Jessica Oliveira Fernandes

RESUMO: As tecnologias digitais estão cada vez mais presentes no cotidiano do brasileiro e, conforme salienta Braga e Busnardo (2004), determinam novas formas tanto de interação quanto de práticas letradas. Esses novos contextos de interação, ao passo que propiciam a troca de mensagens entre pessoas distantes, distanciam as pessoas por ter o computador/smartphone como mediador da comunicação. Essa constatação, de certa forma contraditória, suscita muitas questões relacionadas à (im)polidez nesses ambientes, visto que algumas interações virtuais não se utilizam de recursos característicos da interação face a face – como expressões faciais, entonações etc. – e, portanto, entendemos que se configuram como práticas comunicativas com potenciais mais elevados de desarmonia entre interactantes, as quais terão como recurso para amenizar as tensões o texto escrito. Para tal, tomamos como ponto de partida os estudos de Brown & Levinson (1987), Bravo (2003) e Kerbrat-Orecchioni (2004, 2006) acerca da (im)polidez e de Vion (1992) e Goffman (1973) sobre interação. Portanto, buscamos, neste trabalho, refletir sobre como as estratégias textuais que envolvem a (des)cortesia contribuem para a argumentação em interações aluno x professor via ambiente virtual.

A ACEITABILIDADE ENQUANTO FATOR PRECÍPUO PARA PRODUÇÃO DE SENTIDO NOS TEXTOS ESCRITOS POR SURDOS

Josiane Coelho da Costa
Heridan de Jesus Guterres Pavão Ferreira

RESUMO: Os estudos voltados às Línguas de sinais têm crescido substancialmente. Aqui no Brasil, as atuais políticas inclusivas discorrem, entre outras coisas, sobre os direitos dos surdos estarem integrados às atividades educacionais. Sendo esta uma das atuações com número mais expressivo de surdos presentes. Todavia, o processo de ensino e aprendizagem do Português na modalidade escrita perpassa algumas dificuldades, pincipalmente no tocante à organização estrutural das frases destes indivíduos. Assim, objetiva-se neste trabalho analisar a relação de sentidos sobre os textos escritos e a aceitabilidade do leitor, sobretudo os professores, dentro do processo de escolarização. Para fins metodológicos, buscou-se nos estudos de Bakhtin (1997), Skliar (2016) e Figaro (2015) ampliar o entendimento sobre o tema e realizou-se também pesquisa de campo com dois surdos, sendo um aluno do sistema regular de ensino e outro do Ensino Superior. Os resultados apontaram que mesmo com ausência de elementos coesivos importantes na construção frasal, é fundamental que o receptor esteja aberto para aceitar dada sequência linguística, considerando o princípio de cooperação, concretizando assim a comunicabilidade. É pertinente destacar que para acolhimento dos surdos no que tange seu desenvolvimento intelectual, faz-se necessário uma reformulação do sistema educacional e políticas publicas voltadas às especificidades dos surdos.

A CHARGE NA FORMAÇÃO DO LEITOR

MAGDA VERÔNICA GONÇALVES SILVA

RESUMO: A charge é um texto que tem ganhado muita visibilidade nos últimos tempos e que muito pode ajudar na formação de leitores por ser um texto crítico e humorístico, rico em estratégias discursivas. Diante disso, este artigo objetiva mostrar como esse gênero contribui na formação de um leitor, mais ainda, de um leitor crítico, pensante, atuante e transformador do mundo, além de colocar que conhecimentos podem ser agregados a ele através da leitura deste gênero. Para alcançá-lo, o trabalho realizou-se através de fundamentações teóricas que abordam a leitura e o leitor, vendo o que é e sua importância; os gêneros textuais, apresentando suas características e o que o diferencia dos tipos textuais; e a charge, mostrando o que é esse texto e suas características, para essas leituras foram estudados autores como Koch, Elias, Marcuschi, entre outros. Como resultados, têm-se através das leituras feitas sobre o assunto, que o gênero textual charge forma um leitor perspicaz, crítico, mais consciente dos fatos que ocorrem ao seu redor e que percebe os implícitos contidos em um texto que une imagem e palavra. Ou seja, a charge é um texto eficiente e relevante na formação de leitores e deve ser apresentado a eles para que desenvolvam outras habilidades cognitivas.

A COBERTURA JORNALÍSTICA ACERCA DOS ALAGAMENTOS SAZONAIS EM SÃO LUÍS - MA

Francisco das Chagas Corrêa Soares Júnior
João Vitor Parga de Araújo

RESUMO: Este artigo tem como objetivo fazer uso da análise do discurso para avaliar a cobertura jornalística da região metropolitana da cidade de São Luís do Maranhão em relação aos alagamentos ocorridos no primeiro quadrimestre de 2018. Para isso, é realizado o levantamento bibliográfico para embasamento teórico sobre chuvas, alagamentos, interferência da pavimentação no ciclo hidrológico e a importância de uma rede de drenagem eficiente nas cidades. O corpus de análise se constitui a partir do recorte de 16 notícias de 4 dos principais jornais que circulam na capital maranhense. Por fim, são observados os elementos do discurso jornalístico, com o propósito de perceber como se configura o discurso dos jornais locais em relação às possíveis causas dos alagamentos ocorridos no período e a relação desses fenômenos com a vida cotidiana dos ludovicenses.

A COBERTURA JORNALÍSTICA DO CASO ELIZA SAMUDIO: análise comparativa das revistas Veja, Época e IstoÉ

Jakeline Lemos Mota
Cláuberson Correa Carvalho

RESUMO: Este trabalho pretende analisar a cobertura jornalística das revistas Veja, Época e IstoÉ sobre o caso Eliza Samudio. Em conformidade com o campo teórico em que está enquadrada, esta pesquisa recorre aos estudos de Scalzo (2014) para compreender os processos editoriais de construção das revistas, a Erbolato (2002) na identificação dos critérios de noticiabilidade e a Traquina (2018) na distinção dos valores-notícia que direcionam o olhar jornalístico sobre os acontecimentos. Quanto à metodologia, foram coletadas, aleatoriamente, reportagens publicadas pelas revistas Veja, Época e IstoÉ sobre o caso Eliza Samudio. Pretende-se analisar as reportagens coletadas conforme os pressupostos metodológicos da Análise de Conteúdo em Bardin (2016): pré-análise; fase de organização do material a fim de que o pesquisador explore com maior eficiência ao conteúdo coletado. Exploração do material; em que é aplicada uma descrição analítica no material coletado, conduzida pelas hipóteses e referenciais teóricos. Tratamento dos resultados obtidos; o pesquisador age sobre os resultados obtidos. O assunto abordado por esta pesquisa é relevante pois trata da questão de violência de gênero e feminicídio, permitindo compreender de que forma o tema é retratado na imprensa brasileira.

A COMPREENSÃO DE MUNDO DOS QUILOMBOS URBANOS LUDOVICENSES: UMA ANÁLISE ETNOTERMINOLÓGICA DO BAIRRO DE FÁTIMA, SÃO LUÍS-MA.

TATIANA DO NASCIMENTO CUNHA
GEORGIANA MÁRCIA OLIVEIRA SANTOS

RESUMO: Este estudo tem como objetivo apresentar as especificidades denominativas e/ou semântico-conceptuais que revelam a particular visão de mundo de um dos chamados quilombos urbanos ludovicenses: o Bairro de Fátima, em São Luís-MA. – bairro de indiscutível predominância da ancestralidade e cultura negras. Para tanto, esta pesquisa tem como aporte teórico os estudos desenvolvidos por HALL (2003, 2006), POTTIER (1970), BARBOSA (2004, 2007, 2009), PAIS (2007), SANTOS (2013). Após a coleta de dados feita mediante realização de entrevistas com homens e mulheres da faixa etária I (18 a 40 anos) e da faixa etária II (<50 anos), autodeclarados(as) negros(as), que moram no bairro há mais de dez anos e que desenvolvem alguma atividade social na localidade, já pudemos constatar que a comunidade do Bairro de Fátima constrói sua visão de mundo por meio de lexias ressemantizadas, por exemplo, no campo da territorialidade, pois usam vocábulos-termos para retratar as particularidades da relação que estabelecem entre si dentro do seu espaço e com outras comunidades. A importância deste trabalho é nitidamete marcada pela escassez de estudos, a partir de uma perspectiva etnoterminológica, sobre as particularidades semântico-lexicais dos grupos negros ludovicenses, como o Bairro de Fátima.

A CONQUISTA DA OPINIÃO PÚBLICA: ARTICULADORES ARGUMENTATIVOS NO DESENVOLVIMENTO DE ESTRATÉGIAS DE MANIPULAÇÃO NO GOLPE PARLAMENTAR DE 2016

ANTENOR TEIXEIRA DE ALMEIDA JÚNIOR
MAYARA ARRUDA MARTINS

RESUMO: A democracia permite a participação popular na vida pública do país por meio de eleições livres, que possibilitam a atuação dos cidadãos nas decisões importantes na vida do país e nas ações de melhorias em prol do bem-estar social. Mas o que se observou no Brasil durante o impeachment, foi uma sociedade manipulada por uma coletividade representante do grande capital que utiliza seu poder para cooptar a mídia e os nossos políticos no atendimento de seus interesses. Esse trabalho analisou como os articuladores argumentativos contribuem na manipulação estratégica da opinião pública para possibilitar que os interesses das elites fossem atendidos durante o resultado do processo de impeachment. Utilizou-se como posicionamentos teóricos os trabalhos de Chomsky (2013) e Charaudeau (2016) sobre as estratégias de manipulação da opinião pública e Koch e Elias (2016) sobre os articuladores argumentativos. A partir da análise de material jornalístico sobre o “golpe parlamentar” contra a presidente Dilma Rousseff em 2016, verificou-se como os articuladores contribuíram na progressão das estratégias de manipulação. Assim observou-se que os articuladores são fundamentais no estabelecimento da coesão, da coerência e da orientação argumentativa nas dez estratégias de manipulação da opinião pública propostas pelos autores e utilizadas pela os grandes grupos midiáticos.

A construção do Ethos no discurso político de Luís Inácio Lula da Silva e de Jair Bolsonaro

Cláudia Tammy da Cruz Abreu
Ana Lúcia Rocha Silva

RESUMO: Pretende-se identificar as técnicas argumentativas presentes na construção do Ethos do ex-Presidente Luís Inácio Lula da Silva e do atual Presidente Jair Bolsonaro, traçando um paralelo entre os dois fenômenos que polarizam o cenário político contemporâneo do Brasil. Para este fim usaremos o conceito de Ethos na perspectiva de Charaudeau e de Amossy, as ideias de dispositivos sobre práticas discursivas pontuadas por Foucault, bem como as técnicas argumentativas encontradas nos discursos analisadas à luz de Perelman & Tyteca. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de cunho bibliográfico. O corpus é constituído pelos discursos dos dois presidentes na abertura do Fórum Econômico Mundial de Davos: o de Lula em 2003 e o de Bolsonaro em 2019. Espera-se observar que, mesmo em discursos proferidos por indivíduos de identidades partidárias opostas, o Ethos é usado como técnica de persuasão e se molda para desenvolver uma identificação entre o político e o público-alvo. A partir dessa construção argumentativa, a imagem que o político projeta de si leva à aceitação ou ao repúdio.

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA VIOLÊNCIA NO JORNALISMO POLICIAL MARANHENSE

Cláuberson Correa Carvalho

RESUMO: Esta pesquisa pretende analisar a construção social da violência no jornalismo policial maranhense. Problematiza-se como o jornalismo policial praticado no Maranhão representa a polícia, as instituições públicas e o círculo social de vítimas e criminosos . Fundamenta-se na Análise do Discurso de linha francesa, na perspectiva enunciativo-discursiva de Maingueneau (2008a, 2008b, 2008c, 2013), para quem os discursos sofrem sistemas de coerções que tangenciam as possibilidades de dizer. Defende-se que a prática discursiva instaurada no fazer jornalístico deriva de tensões sociais que categorizam atitudes e sujeitos de modo muito singular. Considerando, conforme argumenta Bourdieu (1989), que a realidade precisa ser apreendida como formas de narrativas, de materialidade do real, o discurso jornalístico sobre a violência, então, acaba por integrar o drama social construído pelas suas próprias narrativas. Constitui o corpus da pesquisa a editoria de polícia publicada pelo jornal O Estado do Maranhão durante o ano de 2018. As discussões apresentadas apontam que o eixo narrativo das notícias sobre violência se caracteriza pela superficialidade e pela efemeridade das informações levadas ao público. Geralmente, as vítimas nos casos policiais se transformam em números e são marginalizadas – associadas quase sempre a envolvimento com o tráfico de drogas numa tentativa de justificar a morte.

A imagem como produção de sentido nos textos de alunos surdos: uma perspectiva da Linguística Textual

Djanes Lemos Ferreira Gabriel
Elizandra Dias Brandão

RESUMO: : A preocupação e o interesse em fazer do surdo um sujeito letrado vêm se configurando uma crescente dentro do contexto atual de educação. No Brasil a comunidade surda utiliza a Língua Brasileira de Sinais, que é uma língua visual-espacial, reconhecida pela lei 10.436/2002 como meio legal de comunicação e expressão, no entanto, essa língua não pode substituir a modalidade escrita da língua portuguesa. Dessa forma, ao se falar em aquisição da escrita para surdos, é importante avaliar a que tipo de língua eles estão expostos, pois, para as pessoas surdas, a escrita é percebida e adquirida visualmente, e não pela associação entre sons e letras. A partir de tal fato, o trabalho tem por objetivo o campo visual, o qual terá por análise a compreensão do uso da imagem para a produção de sentido na construção de textos pelos surdos, tomando o conceito de texto na perspectiva de interação entre os sujeitos. Para tanto, nosso estudo ancora-se em teóricos, como: Karnopp (2012), Geseieli (2015), Pereira (2015), Quadros(1997), Koch (2017), entre outros. O corpus da análise será constituído de textos escritos por alunos surdos de diferentes faixas etárias e níveis de escolaridade. A pesquisa apresenta-se como de grande relevância na área da surdez, visto a necessidade urgente de inserir o surdo no mundo letrado, fazendo com que ele participe das práticas sociais e cotidianas de comunicação e interação.

A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NAS ESCOLAS PÚBLICAS

ELIZANDRA DIAS BRANDAO
Djanes Lemos Ferreira Gabriel

RESUMO: Todas as pessoas, com necessidades especiais ou não, têm o direito de acesso à saúde, lazer, trabalho, e principalmente à educação e demais recursos que são necessários ao pleno desenvolvimento do ser humano. Ao longo da história, as pessoas com necessidades especiais foram julgadas incapazes de realizarem atividades consideradas normais. Esses sujeitos foram então excluídos da sociedade e tiveram seus direitos negados, principalmente os de acesso ao trabalho e à educação. Quando o assunto é incluir o surdo, um dos questionamentos é como alfabetizá-lo e torná-lo um sujeito letrado. Dessa forma objetiva-se com esta pesquisa observar como é feita a inclusão dos surdos em ambientes predominantemente ouvintes. Para isso, realizou-se uma pesquisa de campo na escola Frei Heliodoro, localizada no bairro Dirceu Arcoverde 1. Posteriormente, foi elaborado um roteiro para entrevistas com um aluno deficiente auditivo ou surdo atendido em uma sala regular da rede pública de ensino. A coleta de informações se encerrou com a observação das aulas de Língua portuguesa e Matemática. A pesquisa baseou-se nos teóricos Baptista(2006), Skliar(1994), Quadros(2004) e Declaração de Salamanca(1994). A partir das informações coletadas, constatou-se que o sistema de ensino regular não está preparado para receber e lidar com os alunos surdos e deficientes auditivos. As escolas são carentes de recursos básicos necessários ao processo de inclusão e os professores não estão aptos para recebê-los. Como consequência, não desenvolvem práticas e estratégias pedagógicas que atendam às necessidades educacionais desses alunos.

A interação entre géneros textuais-discursivos como mecanismo para o desenvolvimento da leitura em espanhol como língua estrangeira

Letícia Joaquina de Castro Rodrigues Souza e Souza

RESUMO: Estudos recentes da Linguística Textual consideram que os gêneros textuais-discursivos experimentam momentos de tensão ente dois elementos que se complementam e se contradizem, a repetição e a variação. Conforme Adam e Heidemann (2011), a textualidade garante a unidade textual, enquanto a transtextualidade permite a abertura dos textos para muitos outros. As atividades de leitura desenvolvidas em âmbito institucional parecem direcionar-se aos elementos reguladores da singularidade textual, desconsiderando os elementos responsáveis pela variação ou inovação, cada vez mais presentes nos textos, ignorando, portanto, os efeitos que a variação genérica pode produzir no desenvolvimento da competência leitora em espanhol como língua estrangeira nos níveis iniciais. Diante de tal problemática, analisamos a interação de alunos de língua espanhola de nível A2 com gêneros textuais híbridos, apoiados no arcabouço teórico oferecido por Miranda (2010), Maingueneau (2004) e Lazarini (2013) a fim de averiguar os níveis de compreensão superficial, profunda e crítica reflexiva. Como resultado, verificamos que uma abordagem de leitura que considere a interação entre gêneros textuais-discursivos, intertextualização, pode ser benéfica para os alunos de espanhol, pois a competência genérica realmente pode compensar falhas na competência linguística e na competência enciclopédica.

A intergenericidade na sala de aula

Ana Sara Sousa Aragão

RESUMO: O presente trabalho propõe uma nova perspectiva ao debate sobre o conceito de intergenericidade, já que é um fenômeno que intriga pensadores da linguagem, professores e alunos desde a década de 20, e como as mesclas dos gêneros são utilizadas de forma estratégica e didática no processo de organização textual, sendo um procedimento muito complexo para muitos estudantes, e o melhor entendimento das sequências argumentativas trabalhadas no ambiente escolar. Nesse sentido, utilizamos como suporte teórico estudos e reflexões deixados pelo pesquisador da linguagem humana Mikhail Bakhtin (1895,1975) sobre reelaborações e misturas de gêneros, além de contribuições de CAVALCANTE, M.M em sua obra "Intertextualidade: critérios classificatórios" e KOCH, I.V; ELIAS, V.M "Ler e compreender os sentidos do texto". O trabalho, também, analisa exemplos de textos (piada, poema, artigo, textos publicitários) que podem e devem ser trabalhados em sala de aula para uma melhor compreensão, clareza, entendimento dos temidos e famosos gêneros textuais.

A INTERTEXTUALIDADE COMO ESTRATÉGIA E ORIENTAÇÃO ARGUMENTATIVAS EM EXEMPLARES DIDÁTICOS DO GÊNERO ANÚNCIO PUBLICITÁRIO EXPOSTOS NO PORTAL WEB EDUCATIVO BRASILESCOLA

Mirna Bispo Viana Soares
Franklin Oliveira Silva

RESUMO: Os portais web educativos consistem em importantes recursos midiáticos para transmissão de conteúdos de diferentes disciplinas do ensino básico. Por se tratar de um fenômeno imprescindível aos processos de produção e recepção de textos, o intuito desta pesquisa foi investigar se as explicações sobre o fenômeno da intertextualidade estão em conformidade com o aporte teórico proposto na Linguística Textual. Para esse estudo, fundamentamos nossa pesquisa com Mozdzenski (2009) quanto as formas e funções da intertextualidade em textos verbo-imagéticos; utilizamos também Koch e Elias (2016) que tratam da relação entre a intertextualidade e argumentação, entre outros autores. O corpus foi coletado no portal brasilescola.com, recortado, organizado e exposto em figuras para fins de análises. Verifica-se no portal que há uma explanação geral sobre as tipologias de intertextualidade explícita e intertextualidade implícita em dois anúncios publicitários, com exclusão total da abordagem argumentativa. Concluímos nos exemplares dos anúncios que a intertextualidade pode servir de estratégia e orientação argumentativas, logo, não há necessidade de somente abordá-la através das classificações em tipologias, pois a intertextualidade relacionada a argumentação configura-se em um recurso essencial para construção de sentidos dos textos.

A intertextualização presente no gênero anúncio publicitário em língua espanhola

Carla Emanuela Pinto Ramos
Letícia Joaquina de Castro Rodrigues Souza e Souza

RESUMO: A presente investigação está localizada no campo da Linguística Textual e tem por objetivo realizar uma análise sobre a Intertextualização existente no gênero anúncio publicitário em língua espanhola. Iniciaremos a explanação de nosso trabalho apresentando as principais características da Intertextualidade, conforme o conceito introduzido por Júlia Kristeva, que por sua vez fundamenta suas colocações no dialogismo bakhtiniano. Verificaremos também os conceitos de Intertextualidade Restrita de Genette e Intertextualidade Intergenérica ou hibridismo genérico de acordo com Marcuschi (2002), tendo como arcabouço teórico os estudos realizados por Koch (2007). Abordaremos, ainda, os aspectos que nortearam o nascimento do conceito de Intertextualização, retomando os conceitos abordados por Gerard Genette (1982), estabelecendo a distinção entre Intertextualidade e Intertextualização no tocante as interações textuais e genéricas. Discutiremos o potencial dos anúncios publicitários como hipergênero dentro da intertextualização, a partir dos objetivos comunicacionais desse gênero, conforme Martínez (2011), e embasados nas investigações realizadas por Miranda (2010). Por fim, faremos a análise prática do corpus selecionado a fim de realizarmos uma reflexão empírica sobre o fenômeno da Intertextualização.

A MEMÓRIA NA CONSTRUÇÃO DA LINGUAGEM LITERÁRIA

Suzany Silva Batista
ILANNA MARIA IZAIAS DO NASCIMENTO

RESUMO: Na literatura a retomada da memória aparece como forma representativa, pois busca transmitir a concepção do pensamento artístico, trazidos em suas lembranças, por imagem em si, a matéria/palavra é linguagem se torna arte – a literatura. Victor Chklovski afirma que “a arte é pensar por imagens”, mas como essas imagens são representadas e conduzidas pela memória? Pois, a memória encontra-se na construção da linguagem literária para que se compreenda a obra como um todo, por meio das partes remetendo-nos ao registro ficcional e verossímil, em uma atividade de recordar e esquecer, este exercício do esquecimento é apresentado em inúmeras ‘figuras do esquecimento’ que as culturas, tradições e saberes guardam, mesmo que o esquecimento seja o avesso da memória, pois lembrar é não esquecer. (RICOUER, 2007, p. 450). No entanto o recurso da memória para a construção da obra literária faz-se utilizar a imaginação e a fantasia, em que o autor se permite a liberdade de criação. (BERGSON; 1999, p. 210). A memória, ainda permite que o tempo cronológico possa ser alterado, histórias contadas ao reverso são permitidas e compreendidas sem fugir do imaginável.

A noção de ponto de vista interessa à Linguística textual?

Suzana Leite Cortez

RESUMO: Muitos trabalhos no campo da Linguística Textual (LT) têm se voltado nos últimos anos para analisar as formas ou procedimentos textuais que constroem a orientação argumentativa dos textos. A relação entre referenciação e orientação argumentativa, por exemplo, é apontada por Koch (2005), seguindo-se de outros estudos que contribuíram para pontuar aspectos dessa relação: anáforas encapsuladoras (ZAVAM, 2007; SÁ, 2007); recategorização (CIULLA; MATOS, 2016). Recentemente, encontramos em Macedo (2018), a análise da “inscrição da argumentatividade discursiva” em textos por meio dos parâmetros de textualização: referenciação, intertextualidade e sequencialidade. Nestes e em outros trabalhos, notamos que não há uma noção precisa ou termo específico que possa referir-se àquilo que o produto do texto defende e que conduz o fazer argumentativo dos textos. Termos como posição, posicionamento e ponto de vista oscilam nestes trabalhos. Considerando que a problemática do fazer argumentativo dos textos é uma preocupação constante nas discussões do grupo PROTEXTO, como expôs Cavalcante (2018), este trabalho advoga a relevância da noção de ponto de vista para o estudo de tal problemática. A perspectiva que norteia esta discussão segue a linha da abordagem enunciativo-interacional do ponto de vista de Alain Rabatel, abarcando noções conexas como assunção de responsabilidade e tese.

A POLARIZAÇÃO NA ESCRITURA DE MATÉRIAS JORNALÍSTICAS SOBRE A FUSÃO DOS MINISTÉRIOS DA AGRICULTURA E DO MEIO AMBIENTE

Rafael Botelho Dutra

RESUMO: A polêmica pública é fruto de uma controvérsia de interesse plural, neste sentido, o espaço democrático, através de diversos meios de comunicação, atua como disseminador de campos opostos. Assim, tendo em vista o papel fundamental das matérias jornalísticas para a sustentação da polêmica, o principal objetivo deste trabalho é analisar a construção da encenação da polarização na escritura de matérias jornalísticas sobre a fusão dos ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente. Destaca-se, assim, os grupos antagonistas que se estruturam na escritura das matérias revelando as posições dos enunciadores que, estrategicamente articulados, encenam um confronto verbal. Situado no campo da Teoria da Argumentação no Discurso, este trabalho encontra principal respaldo na discussão teórica de Amossy (2017) em torno da polêmica pública como modalidade argumentativa. Desta forma, dentro do processo discursivo denominado ancoragem conflitual, destaca-se o papel da polarização como processo que viabiliza a divisão social em dois grupos que se excluem mutuamente. Os dados revelam que as duas matérias jornalísticas analisadas, através de discursos reportados, orquestram em seus textos as vozes excludentes através de atores sociais que assumem os papéis actanciais de Oponente e Proponente, e, além disso, ressaltam a relevância social das mídias sobre as divergências que se mostram sobre os assuntos de atualidade.

A PRÁTICA DO JORNALISMO CULTURAL EM VEÍCULOS IMPRESSOS: um estudo de caso da revista Veja

BRÍGIDA FERNANDA PESTANA DE ANDRADE
CLÁUBERSON CORREA CARVALHO

RESUMO: Este trabalho pretende analisar a representação do jornalismo cultural em veículos impressos, mais precisamente o praticado pela revista Veja. Para isso, fundamenta-se na abordagem teórica de Geertz (2008), para quem cultura corresponde a uma ciência interpretativa das expressões sociais; nos estudos de Piza (2007), para compreender o conceito de jornalismo cultural; e nos de Scalzo (2011), para conceituar e entender a rotina jornalística de produção de uma revista. Quanto à metodologia, foram coletadas cinco edições da revista Veja publicadas em 2019. A análise do material segue os procedimentos desenvolvidos pela Análise de Conteúdo (BARDIN, 2016): pré-análise; exploração do material; e tratamento dos resultados obtidos. A importância desta pesquisa consiste em trazer para o centro das discussões a relação entre jornalismo de revista e jornalismo cultural, mostrando a relevância deste formato em veículos impressos, que ainda conseguem impactar os leitores em um mercado que apresenta reflexos de um grande competidor: o jornalismo online.

A presença do léxico da informática no cancioneiro brasileiro

Márcia Antonia Guedes Molina
Ana Cruz Mércia Araujo/ Ana Caroline Luzo de Sá

RESUMO: O presente trabalho, de vertente interdisciplinar, tem como objetivo avaliar a presença do léxico da informática no cancioneiro brasileiro. Sabemos que os inúmeros avanços tecnológicos, iniciados, sobretudo, em meados da década de 40, do século passado - com a criação das primeiras calculadoras programáveis de capacidade de armazenamento similar a computadores, (LÉVY, 1999) e a crescente evolução desses equipamentos, somadas a ebulição da contracultura (década de 70 do mesmo século), fazendo surgir movimentos sociais e , com eles, os computadores pessoais - dia a dia, mais e mais, a informática permeia nosso cotidiano. Exatamente por essa infiltração em nossa rotina é que palavras que outrora faziam parte restrita do mundo da informática, hoje inserem-se em conversas corriqueiras: não raramente, vemos a amiga aconselhar a companheira: deleta esse rapaz ! Você não o merece..... Por esse motivo é que se propôs este trabalho, avaliando como esse léxico, tão presente hoje com nosso cotidiano, permeia letras de músicas. O aparato teórico a nortear as análises é o da Linguística Textual, avaliando em especial, a intertextualidade como fator de textualidade. Constitui-se o corpus desse trabalho, as seguintes letras de canções: Admirável chip novo, Na internet, Mamãe na internet.

A proposta de reforma da Previdência no discurso da mídia: entre efeitos preteridos e preferidos

Francisca Tarciclê Pontes Rodrigues

RESUMO: O objetivo do presente estudo é analisar o discurso da mídia digital brasileira acerca da Proposta de Emenda à Constituição (PEC 06/2019) apresentada pelo Poder Executivo em 20 de fevereiro de 2019 à Câmara dos Deputados do Brasil a fim, sobretudo, de modificar o sistema de previdência social do País. Trata-se de uma análise feita à luz da Teoria Semiolinguística, de Charaudeau, para a qual os discursos se realizam orientados por um projeto de influência dos sujeitos e sobredeterminados por um contrato de comunicação. Com base nisso, o estudo se concentra na análise de textos publicados entre março e maio de 2019 em jornais, revistas e por pessoas públicas com o propósito comum de tratarem do tema em questão. O reconhecimento das características da situação de comunicação em que se realiza o discurso estudado bem como dos aspectos que particularizam os sujeitos desse discurso e, principalmente, a análise do funcionamento desse discurso quanto ao uso de estratégias de captação foram fundamentais para se constatar como esses discursos se constituem parte fundamental do processo de controle de sentidos textuais e de ações sociais.

A referenciação na crônica do Macaco Simão

Elenice Morais Gama

RESUMO: Durante muitos anos o estudo da Linguística Textual permaneceu preso aos limites da sentença. Os estudiosos dedicavam-se apenas ao paradigma gerativo transformacional centrado à analise transfrástica. Porém, na década de 80, ganha corpo as Teorias do Texto, visando um relacionamento entre a estrutura de um discurso e a interpretação extensional do mundo que é textualizado em um texto, acarretando assim, elementos contextuais e cotextuais. Assim, este trabalho se propõe a examinar as expressões nominais atribuídas aos objetos de discurso em função de objetivos relacionados à precisão informacional na crônica do “Macaco Simão”, de José Simão. Considerando a dificuldade de os leitores/ouvintes chegarem à leitura proficiente devido o desconhecimento das designações atribuídas aos objetos de discurso, a pesquisa sobre referenciação textual vem sanar, em certa medida, esses entraves. O objetivo deste trabalho de pesquisa consiste em mostrar, no gênero textual em questão, o teor informacional através da categorização das informações precedentes por meio de novas predicações dadas a estas informações. A metodologia adotada está baseada na linha de análise da referenciação quanto ao objeto de discurso. Quanto aos resultados, as análises apontam a referenciação textual como importante mecanismo para se detectar aspectos informacionais desconhecidos presentes na crônica de José Simão.

A relação entre coesão e autoria em contextos multiculturais

Milena Océria Sales

RESUMO: A presente pesquisa visa analisar como os mecanismos coesivos são empregados por alunos de escolas públicas da cidade de São Paulo e Bacabal em contextos multiculturais. Também busca verificar a relação entre mecanismos coesivos e autoria em produções escritas em contextos multiculturais na cidade de São Paulo e de Bacabal. Como metodologia realizou-se uma pesquisa etnográfica e bibliográfica. O estudo foi realizado em duas escolas públicas da rede municipal de São Paulo e Bacabal respectivamente. A escola de São Paulo recebe um grande número de alunos imigrantes, em sua maioria, vindos da Bolívia. Enquanto isso, a escola escolhida para a coleta de dados em Bacabal atende a uma comunidade quilombola, sendo, portanto, as duas pertencentes a contextos multiculturais. Para dar seguimento ao estudo, partiu-se dos pressupostos teóricos de Koch (1983) e Possenti (2002). Mediante o andamento da pesquisa, buscaremos comprovar a hipótese de que a coesão textual pode ajudar o aluno a distanciar-se do próprio texto e organizar as diversas vozes que atuam sobre sua escrita, assim como também a sua própria voz.

A RESSIGNIFICAÇÃO DE ANGLICISMOS NO PROCESSO DE CRIAÇÃO LEXICAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO

ALBA CATARINA GAMA COSTA PENHA

RESUMO: O trabalho tem como objeto o processo de ressignificação lexical que sofrem os anglicismos, ao participarem das realizações linguísticas na rede social Instagram. O objetivo é analisar os anglicismos como elementos de importação linguística para a formação de neologismos no português brasileiro. O processo de criação lexical, além da formação estrutural dos neologismos, implica em um processo de ressignificação semântica, uma vez que, ao serem incorporados no léxico, assumem novos sentidos, às vezes distintos daqueles que possuem na sua língua de origem. Os principais autores que darão suporte teórico ao trabalho são: Alves (1994), Biderman (2004), Borba (2003), Carvalho (1989), Orsi (2009), Basílio (1987), Krieger (2004), Isquerdo (2004), Barton e Lee (2015), dentre outros que discutem sobre lexicologia, teoria lexical, neologismos, semântica e linguagem online, categorias de fundamental importância para a compreensão das pesquisas linguísticas sobre o processo de ressignificação que sofrem os anglicismos no meio digital. A internet e suas redes sociais acentuam a entrada desses elementos léxicos exógenos por meio do contato linguístico e, por este motivo a rede social Instagram será utilizada como lócus da pesquisa. Os procedimentos metodológicos serão de base qualitativa, tendo como princípio de coleta de dados a construção de um corpus constituído pelas realizações linguísticas dos usuários da rede social Instagram. Construído o corpus, serão selecionadas as realizações linguísticas para análise e, após essa seleção, será realizada a análise tendo o suporte da fenomenologia como base teórico-metodológica para desenvolver o estudo, a partir dos traços semânticos empregados aos neologismos advindos da língua inglesa. A análise do corpus se fundamentará nos pressupostos da linguagem online e da teoria lexical, mais especificamente na neologia, entendida como a capacidade natural de renovação do léxico de uma língua pela criação e incorporação de unidades novas, os neologismos (CORREIA; ALMEIDA, 2012). Os resultados contribuirão para confirmarmos que os neologismos advindos dos anglicismos também contribuem para o enriquecimento do léxico do português brasileiro, uma vez que o falante da língua vai construindo o léxico constantemente atendendo as suas necessidades linguísticas que se tornaram mais dinâmicas nos espaços da web 2.0.

A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA LIBRAS

Daiane de Fátima Ferreira Soares
Bianca Patricia de Agrela Ribeiro

RESUMO: O presente trabalho expõe uma análise sobre a variação linguística entre usuários da língua brasileira de sinais – Libras, realizada com sujeitos surdos em ambientes escolares de São Luís - Maranhão. Objetivando revelar a ocorrência de variação linguística na língua de sinais e como acontece a escolha lexical na variável de controle – sexo (masculino e feminino), definiu-se o campo semântico profissões, dentre as quais optamos pelos léxicos/profissões (Enfermeiro e Garçom). Para contribuir com estudo, fundamentou-se nos estudos desenvolvidos por teóricos e pesquisadores com produções bibliográficas que abordam sobre a temática deste trabalho. Deste modo, recorremos a: Saussure (1978) Labov (1972); Quadros e Karnopp (2004); Bagno (2007); Strobel e Fernandes (1998); Machado (2016), dentre outros. Este estudo tem caráter sociolinguístico e fundamenta-se no método indutivo com abordagem quantitativa onde, realizou-se entrevista para coleta e análise dos dados. Os dados analisados constituíram para o corpus deste estudo. Deste modo, a pesquisa sobre a variação linguística na Libras contribui para a sua legitimação de língua, pois nela, há variações como em qualquer outra língua oral,com aspectos que compõem o fenômeno linguístico denominado variação o que, pode proporcionar novos estudo a comunidade acadêmica.

Alusão em textos multimodais e dinâmicos.

Dálete de Castro Braga Costa

RESUMO: O objetivo deste trabalho é investigar como ocorre o processo de alusão em textos multimodais/dinâmicos. Deste ponto, vamos categorizá-la, tomando como pilar a definição de alusão como uma retomada - a um ou a um conjunto de textos - assinalada por meio de pistas e insinuações, conforme Brito, Falcão e Santos (2017) e Cavalcante, Faria e Carvalho (2017). Para atingir o objetivo deste trabalho, utilizaremos filmes do Universo Cinematográfico Marvel, visto que foram construídos como uma rede, propositalmente interligados, e trata-se de uma produção multimodal/dinâmica. Com isso, nosso objetivo central é analisar como a alusão se comporta em textos de diferentes linguagens e subdividir sua marcação em categorias - pelo verbo, pela imagem ou pelo som. Selecionamos como os mais relevantes para o embasamento os trabalhos de Genette (2010); Koch, Bentes e Cavalcante (2012); Brito, Falcão e Santos (2017); e, Cavalcante, Faria e Carvalho (2017). Com base nesses autores, iremos nos dedicar a analisar as obras Homem de Ferro (2008), O Primeiro Vingador (2011), Guardiões da Galáxia I (2014), Guerra Civil (2016), Guardiões da Galáxia II (2017), Guerra Infinita (2018), Ultimato (2019), observado com que outros filmes estão relacionados e como eles aludem uns aos outros.

ANÁLISE DA ESCRITA DO ALUNO SURDO E DO ALUNO OUVINTE A PARTIR DE UM CONTO INFANTIL

Steliane Mesquita Marques

RESUMO: RESUMO: Após anos de estudos observamos tantos progressos da comunidade surda brasileira, ainda é notável as diferenças educacionais entre os alunos surdos e ouvintes. A falta de didática e de acompanhamento especializado faz com que os alunos surdos cheguem ao Ensino Médio com muita dificuldade de leitura, interpretação de textos e principalmente no tocante à escrita. A língua utilizada pelos surdos, a LIBRAS que foi reconhecida pela lei 10.436 em 22 de abril de 2002, trata-se de uma modalidade visuo-espacial e possui sua gramática com regras próprias que é diferente do português uma vez que é composta de sinais que podem ser icônicos ou arbitrários. Assim, esse trabalho objetiva analisar a escrita do aluno surdo e ouvinte a partir de um conto infantil que será dado a eles em formato textual para eles lerem e depois escreverem o que entenderam da história. Esse texto que por eles será escrito vai ser analisado, comparando a escrita dos dois alunos. O presente trabalho está sendo desenvolvido a partir de estudos bibliograficos e de campo, com teorias de Quadros (1999) e Brito (1995). Esperamos mostrar como resultado as diferenças da escrita do aluno surdo e do alunno ouvinte.

ANÁLISE DA PRODUÇÃO TEXTUAL DA CRIANÇA SURDA E DA CRIANÇA OUVINTE

Aline Pereira Rufino

RESUMO: No que se refere aos estudos sobre aprendizagem da escrita do português como L2 (segunda língua),para a pessoa surda, o estudo da estrutura gramatical, morfológica e sintática, ganham destaque, e nesse processo de aprendizagem será verificado em que consiste a diferenciação entre a escrita da criança surda e da criança ouvinte e compreender porque é deficitário o aprendizado da escrita do Português como L2, sabendo que o processo de aquisição da linguagem ocorre de forma similar, se desde tenra idade a criança surda for estimulada em sua língua materna, no Brasil a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais). A criança surda é gesto - visual, não aprende de forma fonológica, como a criança ouvinte, partindo desse pressuposto, verificaremos em pesquisa de campo como se diferencia a escrita da criança surda e da criança ouvinte na mesma faixa etária, do mesmo sexo/gênero, no U.E.B Luís Viana Fundamental, escola bilingue. O trabalho desenvolveu-se inicialmente com pesquisas biblioraficas embasadas nos estudos de Antunes(2003) , Salles et al. (2004) e Marcuschi (2007) e Fernandes et al. (2006)

Análise do Discurso de Ódio na Recepção do Jornalismo Online: Os Comentários nas Redes Sociais do Portal Imirante.com

Adriano Silva Soares
Cláuberson Correa Carvalho

RESUMO: O discurso de ódio sempre se fez presente em todas as sociedades ao redor do mundo. Entretanto, com o advento da internet e de suas ferramentas, como é o caso das redes sociais no ciberespaço, a propagação desses discurso se tornou mais frequente e de maior impacto, devido a grande visibilidade que é possível se ter na rede. Questões sociais, homofóbicas, religiosas, políticas, machistas, racistas fazem parte da maioria desses discursos que tentam diminuir alguém um algum grupo por atributos característicos e específicos de cada um desses grupos. Dessa maneira, esta pesquisa teve por objetivo analisar os comentários odiosos nas rede sociais do portal maranhense de notícias Imirante.com, com foco no Instagram. Para isso, foram coletados os comentários de seis postagens do perfil do Instagram do Imirante, no período de uma semana. Um total de 21 comentários foram analisados com base nos referenciais teóricos que abordam a temática, assim como pressupostos históricos-sociais sobre a Análise do Discurso e o discurso de ódio. A contribuição desta pesquisa está tanto no desenvolvimento de uma análise relevante para os estudos em Análise do Discurso quanto para a análise do comportamento do usuário das redes socias de sites jornalísticos.

Análise do gênero charge sob a perspectiva de Mikhail Bakhtin

Emilly Silva rodrigues
Natália Costa Sousa

RESUMO: Os estudos de Mikhail Bakhtin proporcionaram uma definição dos gêneros discursivos como enunciados relativamente estáveis, “situados sócio-historicamente, com intencionalidade bem definida e relevante para um determinado grupo social” (SANTOS; RICHE; TEIRXEIRA, 2012, p. 30). À luz dessa concepção, o presente trabalho tem como objetivo analisar o gênero charge a partir das publicações na coluna Charge do Dia, do jornal Folha de Londrina, publicadas entre os dias 8 de outubro de 2018 a 13 de outubro do mesmo ano. Sendo a charge um gênero geralmente publicado em jornais, que usa a sátira como instrumento para fazer uma crítica, com base nos estudos de Leonor Werneck e Adriana Pucci de Faria e Silva, alguns aspectos composicionais, como estilo, conteúdo temático, tipologia textual e estratégias linguísticas, são consideradas para entender os prováveis efeitos de sentidos que as charges analisadas provocam, de acordo com o contexto sócio-histórico de circulação em que foram produzidas. Assim podemos perceber que um gênero textual tão simples, como a charge, é capaz de trazer uma carga significativa bastante densa. Questões como o contexto histórico, o conhecimento prévio do leitor e a relação que ele vai estabelecer com o texto influencia diretamente na produção de sentido, isto é, no resultado do discurso.

ANÁLISE E CONSTRUÇÃO DIALÓGICA DE SENTIDOS NO TEXTO DO SUJEITO SURDO

Ruan Pires Azevedo
Silvia Cleide Piquiá dos Santos

RESUMO: Evidencia-se neste trabalho a análise da produção escrita de um surdo, considerando o usuário bilíngue, com uso da Língua Brasileira de Sinais – Libras e da Língua Portuguesa em uma modalidade escrita. O objetivo desse trabalho é analisar a compreensão linguística e discursiva da produção textual em Língua Portuguesa do sujeito surdo diante dos desvios na estrutura gramatical. Esta proposta busca verificar a construção de sentido de um sujeito que tem o ensino fundamental incompleto, casado e que mora em um bairro de São Luís – MA. Parte-se, portanto, das competências de aprendizagem e uso da linguagem produzida pelas interações sociais e culturais como desafio enfrentado pelos alunos surdos. Percebe-se uma realidade difícil no que tange ao processo de ensino-aprendizado de surdos em instituições que não dispõem de metodologias, estratégias e recursos didático-pedagógicos que atendam às necessidades desses sujeitos. Buscando discutir a temática da perspectiva dialógica, usa-se como fundamentação teórica Silva (2001), Bakhtin (1979), Vygotsky (1934), Fayol (2014), Garcez (1998), Koch (1997, 2008, 2009).

Análise textual dos efeitos argumentativos das parábolas jesuânicas.

Ivânia Oliveira Dias e Silva
Monica Fontenelle Carneiro

RESUMO: Este trabalho versa sobre pesquisa em fase inicial, a ser realizada com o objetivo de analisar a figuratividade presente em textos de natureza religiosa, especificamente nas parábolas jesuânicas. A parábola evidencia o uso recorrente da linguagem figurada do cotidiano, não só na emergência e construção do sentido, mas também como estratégia argumentativa no discurso oral. Para tanto, são tomadas como corpus duas parábolas selecionadas, a saber: O juiz iníquo e a viúva e O fariseu e o publicano. Esta pesquisa bibliográfica descritivo-exploratória tem abordagem de caráter qualitativo, pois busca compreender como a linguagem figurada é utilizada na manifestação de ideias, crenças e sentimentos, de forma a favorecer tanto a organização de ideias quanto a argumentação no discurso oral. A investigação apoia-se no aparato teórico que inclui os trabalhos de Lakoff e Johnson (1980, 1999), Lakoff (1987) e Johnson (1987), assim como os de Mikhail Bakhtim (1988) e de Chaïm Perelman e Olbrechts-Tyteca (2005). Como resultado, esta pesquisa espera demonstrar a relevância da linguagem figurada na emergência e produção de sentido e sua contribuição para a construção argumentativa da parábola.

ANÁLISE TEXTUAL E ANÁLISE DO DISCURSO: LIMIARES TEÓRICOS

JACIARA CARVALHO COSTA
MONICA FONTENELLE CARNEIRO

RESUMO: Considerando a realidade da linguagem como fenômeno sociocultural, ou seja, como parte de uma atuação social mais ampla é que a lingüística textual e análise do discurso aproximam-se. No entanto, mesmo vinculadas a esse contexto correlacional em seu desenvolvimento, as duas teorias sempre se mantiveram autônomas. Há princípios que as aproximam e outros que as distanciam e, para chegar-se aos limiares diferenciais entre essas teorias, parte-se dos aspectos similares que as envolvem. O objetivo, portanto, desse trabalho é, a partir da análise do percurso histórico dessas duas teorias, diferenciar teoricamente os princípios que as unem daqueles que as distanciam. As categorias em que se funda esse estudo são o texto, a linguística textual e análise do discurso. Tem-se por aporte teórico Adam (2008); Marcuschi (2008, 2012); Koch, Morato e Bentes (2005) e Koch (1999). Trata-se de pesquisa de cunho qualitativo, com suporte em acervo bibliográfico. Como resultado busca-se o alcance da compreensão de que enquanto o objeto de estudo da análise textual está para o texto, o da análise do discurso está para as situações de interação nos lugares sociais, nas línguas e nos gêneros impostos aos enunciados.

Análise da construção dos referentes nos memes da página "Barbie e Ken cidadãos de bem" no Facebook

Francisco Eduardo Mendes dos Santos
Caroline Bezerra Lima

RESUMO: A Linguística textual é uma área responsável pela ampliação das investigações linguísticas, no que se refere aos estudos de texto. Entender o processo de referenciação, fenômeno focalizado neste trabalho, é um dos vieses basilares para a compreensão do sentido e a produção de diversos gêneros textuais. O objetivo deste artigo é analisar a construção dos referentes no gênero meme em postagens de Facebook, isto é, como eles são sancionados socialmente, por meio da construção mental e representado nas postagens, neste caso no perfil “Barbie e Ken - cidadãos de bem”. Tendo em vista o intuito elencado, esta pesquisa será desenvolvida a partir das seguintes discussões teóricas: Marcuschi (2008), Cavalcante (2018), Koch (2012), Lima-Neto (2014). Para tanto, foram coletadas da rede social citada, suporte em que está inserida a página, algumas postagens de memes, que possuem linguagem de caráter verbo-imagético. Após a coleta, a análise foi conduzida a partir das descrições dos exemplares do gênero meme, em relação aos referentes, bem como os sentidos evocados pelas pistas linguísticas que compõem a cadeia textual. Como resultado, esperamos contribuir para a compreensão da referenciação em gêneros multimodais, e refletir acerca dos aspectos que circundam a construção de sentido, em específico, no gênero meme.

AQUISIÇÃO DE LINGUAGEM E AQUISIÇÃO DE LÍNGUA DE SINAIS: análise comparativa da aquisição do parâmetro configuração de mão

Renan Pires Azevedo
Ruan Pires Azevedo

RESUMO: A pesquisa se propõe a fazer uma breve análise a partir de dados coletados por intermédio de entrevistas semiestruturadas sobre a aquisição da Língua Brasileira de Sinais análise comparativa da aquisição do parâmetro Configuração de mão com o objetivo de verificar a importância da aquisição da linguagem ainda na fase do período crítico da aprendizagem, por meio da observação e análise comparativa entre usuários da Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS com diferentes perfis. Apresentando uma proposta de instrumento de avaliação considerando as boas condições para a formação dos sinais e o processo de aquisição do parâmetro configuração de mão (FERREI RA-BRITO, 1995; KARNOPP, 1994, 1999; QUADROS; KARNOPP, 2004) por diferentes grupos, a saber: i) Criança Surda; ii) Adulto Surdo; iii) Adulto Ouvinte. Utilizou-se como metodologia as ações de pesquisa bibliográfica e de campo escolhemos as configurações de mão baseadas na tabela do grupo de pesquisa do ensino de LIBRAS do Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES). A pesquisa conclui-se que as relações semânticas entre os sinais (elementos) realizados por fases distintas da aquisição da linguagem, consistem tipicamente nos itens lexicais que são produzidos.

Argumentação polêmica pautada em parâmetros de textualidade

Danielle Ketley de Sousa Pereira

RESUMO: No presente trabalho abordamos reflexões surgidas a partir das discussões empreendidas no Grupo de Estudos em Linguística Textual (GELT/UNILAB), e se alinha às pesquisas do Grupo de pesquisa PROTEXTO (UFC). Temos como propósito investigar como as marcas textuais, contribuem para a construção da argumentação e da atualização da polêmica nos comentários gerados nas notícias veiculadas na mídia digital. Nesse sentido, adotaremos como aporte teórico, as contribuições de Amossy (2017,2016), Brito (2018) e Cavalcante, Pinto e Brito (2018), bem como estabeleceremos um diálogo entre a Linguística Textual e a Teoria da Argumentação no Discurso, de Amossy (2011, 2016, 2007) ), com o intuito de colaborar para uma análise da argumentação pautada em parâmetros de textualidade. Partimos da hipótese, de que os comentários tendem a ser estratégias de persuasão, mobilizadas por meio de recursos textuais. Para a realização da pesquisa, ambicionamos investigar cerca de 10 notícias e comentários feitos pelos internautas. Desse modo, como resultado, esperamos mostrar como a interação entre os internautas coopera para que a modalidade da argumentação polêmica seja atualizada.

ASPECTOS DA TEXTUALIDADE EM ORIENTAÇÕES SOBRE REVISÃO E REESCRITA DE TEXTOS ACADÊMICO-CIENTÍFICOS

JOSÉ CEZINALDO ROCHA BESSA

RESUMO: Compreendendo que revisar e reescrever são indissociáveis de todo ato de produzir textos, principalmente quando se trata de produção de textos científicos para publicação em periódicos qualificados, onde os exigentes critérios de submissão de trabalhos alçam a qualidade da escrita textual a critério decisivo para aceitação da publicação, este trabalho se propõe a examinar a presença/ausência de aspectos da textualidade em orientações sobre revisão e reescrita de textos acadêmico-científicos. A investigação realizada se fundamenta em trabalhos de estudiosos da textualidade (ANTUNES, 2005; 2010; CAVALCANTE, 2012; KOCH e ELIAS, 2008), da revisão/reescrita textual (RUIZ, 2001; SUASSUNA, 2011) e da escrita acadêmico-científica (BOCH, 2013; CARLINO, 2017, dentre outros). Trata-se de uma investigação de natureza interpretativa e qualitativa que analisa um corpus constituído por 40 textos com orientações sobre a produção de artigos científicos e monografias coletados em sites e blogs como enago, Ciência prática, Lendo.org, Monografia urgente e TCC pronto. Os resultados parciais deste estudo sinalizam que as orientações sobre revisão e reescrita de textos científicos nos sites e blogs examinados explicitam basicamente aspectos da textualidade como repetição de ideias e elementos de sequenciação textual que são explorados, no mais das vezes, de modo pouco fundamentado.

ATLAS LINGUÍSTICO DO BRASIL: UM ESTUDO GEOSSOCIOLINGUÍSTICO SOBRE AS DENOMINAÇÕES PARA MAU PAGADOR EM SÃO LUÍS - MA

Macielly Lima do Nascimento
Georgiana Márcia Oliveira Santos

RESUMO: Esta pesquisa, de natureza geossociolinguística, objetiva identificar, com base no corpus organizado pelo Projeto Atlas Linguístico do Brasil - ALiB, as variantes denominativas para mau pagador na capital maranhense, São Luís, a partir da análise das respostas dadas à pergunta 139: Como se chama a pessoa que deixa suas contas penduradas?, pertencente ao campo semântico Comportamento e Convívio Social do Questionário Semântico- Lexical- QSL do ALiB. Com base nos pressupostos teóricos-metodológicos da Dialetologia e da Geolinguística, este estudo visa, portanto, evidenciar a ocorrência de diferentes variantes lexicais para mau pagador a partir das interseções estabelecidas entre os fatores de natureza diagenérica, diageracional e de escolaridade. Seguindo, mais especificamente, a metodologia do ALiB, os informantes desta pesquisa são mulheres e homens ludovicenses, com Ensino Fundamental e Ensino Superior, distribuídos equitativamente entre as faixas etárias I (18 a 30 anos) e II (50 a 65 anos). Consequentemente, a presente pesquisa torna-se relevante pelas contribuições que oferecerá às investigações do Português falado em São Luís, uma vez que o estudo das variantes lexicais de mau pagador nessa localidade apresentará múltiplos esclarecimentos acerca das particularidades socioculturais maranhenses, nordestinas, e incitará investigações sobre as particularidades linguístico-culturais das diversas regiões brasileiras.

COESÃO E COERÊNCIA: o texto do aluno surdo nas séries iniciais do Ensino Fundamental

NAYSA CHRISTINE SERRA
Monica Fontenelle Carneiro

RESUMO: Tendo em vista que a Língua Portuguesa é, para o aluno surdo, a segunda língua e deve ser aprendida e utilizada apenas em sua modalidade escrita, é importante ressaltar que, nesse contexto, a aprendizagem de Língua Portuguesa no Brasil tem sido um grande desafio para os professores, pois, apesar dos avanços das tecnologias, o ensino em muitas escolas ainda é muito tradicional, tornando mais difícil a sua missão quando há alunos surdos em suas turmas. Esses têm, em quase toda a totalidade, uma grande dificuldade de compreender, interpretar e escrever em português, e desconhecem concepções básicas, tais como: o uso do artigo, a diferença entre plural e singular e outras, quase sempre recorrendo a estratégias de escrita que os levam a produzir textos inadequados quanto à norma padrão da língua portuguesa. Diante disso, este trabalho tem como objetivo investigar o contexto da construção da ideia textual pelo aluno surdo e a impossibilidade, muitas vezes, da coerência e a coesão nestas produções. Para tal investigação, autores como Antunes (2013), Bagno (2015), Galuch (2011), Lacerda (2014) e outros foram consultados para a arcabouço teórico desta pesquisa bibliográfica qualitativa, de natureza descritivo-exploratória. Os procedimentos metodológicos adotados incluem: observação das aulas de língua portuguesa, entrevista com as professoras, captação dos dados (textos escritos pelos alunos surdos), análise e tabulação dos dados; e fundamentação teórica. Como resultado, espera-se demonstrar que o texto produzido em Língua Portuguesa pelo aluno surdo “foge” do central, contexto principal com ausência de uma sequência lógica e uma estrutura sintática que lhe dê sentido.

COESÃO TEXTUAL NA ESCRITA DO SURDO: A INFLUÊNCIA DA LIBRAS NA ESCRITA DO PORTUGUÊS

Laís Ribeiro Coqueiro

RESUMO: Mesmo com a participação crescente dos surdos no âmbito educacional, nos últimos anos, é possível perceber grandes dificuldades. Pesquisas apontam dificuldades nas produções textuais, dos surdos, enquanto usuários de português em sua modalidade escrita, devido a influência da LIBRAS na estruturação do texto em português. Desse modo, esta pesquisa objetiva analisar a coesão textual e a interferência da LIBRAS na escrita do surdo. A partir dos estudos de Santos (2013), que amplia o entendimento do tema abordado, a presente pesquisa bibliográfica tem como foco o estudo de textos produzidos por surdos, analisando assim a presença da coesão nestes textos, mesmo que exista influência direta da estrutura frasal da LIBRAS em suas transcrições. Os resultados mostram que há coesão no texto escrito por surdos, apesar das dificuldades causadas pela diferença na estrutura das línguas e de como são ensinadas nas escolas, que na maioria das vezes tratam a LIBRAS apenas como facilitadora de compreensão, e não pelo seu status de língua, que tem sua própria estrutura, sintaxe, e deve ser trabalhada como tal, para assim poder facilitar na estruturação das produções textuais em português . Uma proposta conveniente para desenvolver o intelectual linguístico dos surdos é a LIBRAS como objeto de estudo central sendo trabalhada por professores e alunos desde a alfabetização, externando sempre a estrutura de ambas as línguas, e suas principais diferenças que interferem na produção de textos.

CONSTITUIÇÃO DO SUJEITO MULHER EMPRESÁRIA NO DISCURSO DA REVISTA DELUXE DE SÃO LUÍS-MA

Letícia Maciel do Vale
Ilza Galvão Cutrim

RESUMO: Neste trabalho propomos uma compreensão acerca da objetivação construída a respeito da mulher empresária por meio da prática discursiva da revista Deluxe, veículo que se enquadra no segmento de imprensa feminina, voltado para o colunismo social em circulação na cidade de São Luís-MA. Utilizamos preceitos teóricos da Análise do Discurso de linha francesa, com base no método arqueogenealógico de Foucault como forma de reconhecer as relações de saber e poder que se apresentam no interior do discurso produzido acerca do sujeito mulher empresária. Considerando noções de sujeito, formação discursiva e enunciado, podemos identificar o entrecruzamento de saberes abrigados em diferentes campos, tais como o religioso (família), econômico (profissão, formação acadêmica) e estético(cuidados com o corpo/saúde e beleza).

CONSTRUÇÕES DISCURSIVAS DA FESTA NOS POSICIONAMENTOS CANÇÃO DE MASSA E POP PARA CRIANÇAS

Lucas Rodrigues Memória Ávila

RESUMO: Este trabalho analisa as construções do elemento "festa" presente nas canções "Festa do estica e puxa" (MARQUES; MARQUES, 1987) e "Baile partincundum" (PARTIMPIM, 2009), classificadas nos posicionamentos Canção de Massa e Pop para crianças, respectivamente. A investigação é um dos frutos do projeto INVOCANÇÕES, ligado ao grupo de pesquisa DISCUTA (UFC), no qual examinamos diferentes posicionamentos discursivos em canções para crianças, com base na Análise do Discurso, delineada por Maingueneau (1996a/b, 1997, 2000, 2001, 2004, 2005, 2006a, 2006b, 2008, 2010a/b) e nas pesquisas de Costa (2001), Mendes (2013) e Gonzalez (2013). As canções foram selecionadas com propósito de investigar, mediante os investimentos vocais e verbais, como ocorre a construção discursiva da festa. Nossa análise preliminar mostra que, na primeira canção, a festa aponta para o caráter de autopromoção da intérprete, Xuxa, pela autorreferenciação e ethos de poder, em que a artista não sai do pedestal, e de diversão, ao tratar as crianças apenas como convidadas. Já a segunda canção, traz elementos da identidade nacional, com a referência ao Carnaval e à formação de um ethos de inclusão, em que é mostrada uma festa divertida e sem hierarquias.

DA UNIDADE TERMINOLÓGICA AO TEXTO ESPECIALIZADO: UMA ANÁLISE DO REPERTÓRIO VOCABULAR DAS TEORIAS DA ARGUMENTAÇÃO

Edmar Peixoto de Lima

RESUMO: Com o advento dos estudos terminológicos sob a perspectiva do texto, as ciências do léxico passaram por grandes transformações no percurso investigativo. As pesquisas deixaram de observar o repertório especializado sob o prisma da univocidade da linguagem, passando a examinar com mais meticulosidade os elementos linguísticos que envolvem a área de estudos, sobretudo os aspectos lexicais. Assim, no intuito de estabelecer uma relação dialógica com estes pressupostos, objetivamos examinar as unidades terminológicas (UT) registradas no corpus da argumentação (CORPARG) com o objetivo de nomear a área e o que representa este repertório para o domínio. O referido corpus é formado de teses, dissertações, artigos e livros que circulam na comunidade acadêmica quando tratam da argumentação. Para embasar a investigação, recorremos aos estudos de Pontes (2009), Krieger e Finatto (2004), Lima (2017), dentre outros pesquisadores. Como resultados preliminares, os dados demonstram que circulam no corpus uma variedade de UT para nomear a área. As escolhas lexicais nos revelam, dentre outras interpretações, a filiação teórica defendida pelos produtores do texto, haja vista esta ser uma área heterogênea, que contempla variados aportes teóricos. Acreditamos que pesquisas desta natureza contribuem para o processo de organização e sistematização do repertório terminológico das teorias da argumentação.

Direita, esquerda e polêmica: uma análise à luz da teoria de Ruth Amossy

ELAN FERNANDO CAMPELO DOS SANTOS
MÔNICA DA SILVA CRUZ

RESUMO: O uso de palavras ligadas à direita ou à esquerda, ou mesmo as palavras direita e esquerda, no campo semântico da política, tem o propósito de definir posições, criar identidades e gerar polêmica. Os dois termos, ao circularem nas mídias, surgem em redes sociais deixando de significar apenas alinhamentos políticos, passando a funcionar como polos opostos de um mesmo feixe. Trata-se aqui de observar como duas unidades linguísticas emergem trazendo inúmeros sentidos, possibilitando o surgimento de alguns mecanismos que podem ser entendidos à luz do conceito de polêmica, de Ruth Amossy (2017). A pesquisadora traz a polêmica como parte integrante da vida pública, permitindo o gerenciamento de conflitos, a coexistência de ideias conflituosas, sem a intenção de levar a um consenso ou acordo. Esta passa, assim, a uma categoria de modalidade argumentativa, fazendo surgir três movimentos: a dicotomização, a polarização e a desqualificação do outro. Desse modo, entendendo o conceito de polêmica para Ruth Amossy, esta comunicação propõe a análise de postagens sobre o tema direita e esquerda, na rede social Facebook, considerando que a utilização das palavras direita e esquerda se enquadram dentro dessa modalidade argumentativa.

DISCURSO E SUBJETIVAÇÃO: A PRODUÇÃO DA MULHER MODERNA EM ALINE, UMA HQ DE ADÃO ITURRUSGARAI

FLAVIA LOUISE NOGUEIRA DA CRUZ SILVEIRA

RESUMO: Ao analisar histórias em quadrinhos de épocas diversas, notam-se mudanças em relação ao lugar ocupado pela mulher, nessas publicações (BARROS; RECUERO, 2015). A priori, a mulher, no espaço discursivo dos quadrinhos, foi figurada como coadjuvante ou como interesse amoroso do herói protagonista e isso aconteceu por dois principais motivos: um deles por acreditar-se, por muito tempo, que este seria o papel social feminino, e outro pela condição de satisfazer a um público majoritariamente masculino. Aline, protagonista da História em Quadrinhos de Adão Iturrusgarai, é projetada como mulher não conservadora, porém, embora seu discurso seja progressivo quanto às questões de gênero, Aline conserva marcas de discurso próprias do patriarcado, o que a torna paradoxal. Este trabalho, recorte de nossa pesquisa de mestrado, em fase inicial, visa analisar a produção do sujeito mulher moderna em Aline. Como base do referencial teórico segue-se a análise discursiva de matiz foucaultiana e seus conceitos de subjetivação e relações de poder. O corpus empreendido corresponde a dois números da referida obra.

Efeito retroativo no PAES: análise de gêneros discursivos nas questões de língua inglesa

Denise Maia Pereira Laurindo

RESUMO: Esta pesquisa objetiva discutir o efeito retroativo potencial do Processo Seletivo de Acesso à Educação Superior (PAES) a partir da análise dos gêneros discursivos nas questões de Língua Inglesa utilizadas na primeira etapa do processo seletivo nos anos de 2014, 2015, 2016, 2017 e 2018. Esta pesquisa ancorou-se nos estudos da área de Linguística, fundamentando-se por base nos trabalhos de Scaramucci (1999, 2004, 2011), Bachman (1995), Bachman e Palmer (1996) além da concepção bakhtiniana (BAKHTIN, 2011) de gêneros discursivos. Como consideração percebeu-se que o gênero discursivo mais utilizado nas provas foi o hipergênero jornalístico (notícia, artigo de opinião, editorial, matéria etc.) correspondendo a quase 53% dos gêneros do processo seletivo e o hipergênero quadrinhos foi o segundo mais utilizado com aproximadamente 16% dos gêneros apresentados. Pesquisas desta natureza podem oferecer subsídios para que o ambiente de ensino-aprendizagem, englobando professores e alunos de Língua Inglesa, seja propício para a realização de atividades que não só desenvolvam nos alunos as habilidades que o PAES exige, mas também possibilitem uma melhor competência comunicativa e um olhar mais abrangente para com a sociedade.

ENSINO E DE APRENDIZAGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA ESCRITA: Pressupostos para o desenvolvimento integral do estudante surdo

Heridan de Jesus Guterres Pavão Ferreira
JOSIANE COELHO DA COSTA

RESUMO: No Brasil, a Libras é, reconhecidamente, a língua utilizada pela comunidade surda para se comunicar, constituindo-se sua primeira língua. Tal reconhecimento se dá por meio de dispositivos legais como a lei N. 10.436/2002 e Decreto N. 5.626/2005. Ao mesmo tempo, tais dispositivos dispõem que a expressão escrita dar-se-á por meio da língua portuguesa, não podendo esta ser substituída por aquela. Objetivamos a partir do trabalho proposto, descrever as problemáticas enfrentadas por professores e alunos surdos, no processo de ensino e de aprendizagem da língua portuguesa, discutindo-se de que forma a capacidade da produção escrita interfere no desenvolvimento e na aprendizagem do estudante surdo nas diferentes áreas de conhecimento; objetivamos ainda, comentar em que medida o déficit relativo ao desenvolvimento da escrita de textos se constitui fator de negação dos direitos educacionais das pessoas surdas, considerando o princípio constitucional. A metodologia utilizada é a pesquisa bibliográfica e documental, a partir dos pressupostos de Maruny (2000), Ferreiro (2004), Zacharias (2004), Constituição Federal (1998), Brasil (2002, 2005). Trata-se de uma pesquisa ainda em andamento, cujos resultados preliminares apontam que muitos surdos são promovidos, ao longo dos anos escolares, sem terem desenvolvido, a escrita necessária e adequada para seu desenvolvimento educacional e profissional.

ESCRITA ACADÊMICA: por uma docência autoral

Maria José Nélo
Nayara da Silva Queiroz

RESUMO: Nesta comunicação, tem-se por relevância considerar as práticas de uma docência autoral, desde a formação acadêmica aos desdobramentos da aprendizagem de organização das ideias de que os diferentes textos atendam os detalhes e propósitos técnicos na formação de cidadãos e de sua autonomia acadêmica. Nesse sentido, é necessário fundamentar teoricamente de que maneira são ponderadas o ensino para a produção da escrita autoral, em particular, aqueles alunos que ingressam nos cursos de Letras. Dessa forma, a hipótese orientadora indica que o processo de ensino na educação básica ainda é insipiente para formação autoral na academia. Assim, os processos do uso dinâmico e complexo da linguagem devem ancorar as práticas de ensino da escrita autoral desde a educação básica, conforme proposições dos PCNs (1996, 1997, 1998); e na formação acadêmica, há orientações complementares realizados por Motta-Roth e Hendges (2010), da importância e da necessidade de orientar a produção textual científica no meio acadêmico. Para tanto, concluímos que é preciso instruir os alunos para agir com autonomia leitora e escrita em diferentes contextos comunicativos na vida e no espaço acadêmico.

ESSES PALAVRIADOS QUE A GENTE USA: uma análise etnoterminológica da visão de mundo dos moradores do Quilombo Urbano Liberdade-MA

Laryssa Francisca Moraes Porto
Georgiana Márcia Oliveira Santos

RESUMO: O locos desta pesquisa é o bairro da Liberdade que fica localizado na área central de São Luís, o qual no dia 23 de novembro de 2018, foi reconhecido oficialmente pela Câmara de Vereadores do município como o primeiro Quilombo Urbano do Maranhão. Partindo do pressuposto de que língua, cultura e sociedade são inseparáveis, pretendemos, nesta pesquisa, analisar a língua de especialidade do quilombo no contexto urbano, isto é, verificar as especificidades semânticos-lexicais, com o aporte teórico da Semiótica, Etnolinguística, Etnoterminologia e de questões da construção da Identidade Sociocultural. As questões desse questionário são direcionadas a oito informantes de ambos os sexos, da faixa etária I (18 a 40 anos) e da faixa etária II (50 anos), autodeclarados negros, que moram no bairro há mais de dez anos e que, preferencialmente, desenvolvem alguma atividade na localidade, como, por exemplo, participação nas manifestações sociais, religiosas ou festivas da comunidade. Como resultados, já conseguimos iniciar o mapeamento identitário dos moradores desse bairro comprovado por outras formas denominativas para se referirem, por exemplo, ao bairro: Bairro Freedon, Libercyti e LB.

ESTRATÉGIAS METADISCURSIVAS PARA A CONSTRUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO

Daniel Leonardo Souza Arcenio
Sâmia Araújo dos Santos

RESUMO: Tendo em vista as dificuldades dos professores de compreensão e produção textual da educação básica em encontrar propostas pedagógicas que atendam ao ensino da construção de textos de sequência argumentativa dominante (ADAM, 2009), vimos nos estudos sobre estratégias metadiscursivas de interação (HYLAND, 2005) uma possibilidade viável de aplicação ao ensino. Hyland (2005) reconhece a metadiscursividade como sendo estratégias usadas pelos locutores para projetarem suas intenções comunicativas em seus textos, posicionando-se tanto em relação aos argumentos do interlocutor. Nossa proposta segue a esteira de Santos e Faria (a publicar), que discutem a importância da metadiscursividade interativa, como estratégia teórico-metodológica, tornando o aluno capaz de construir e negociar relações com seus interlocutores. À luz desses estudos, propomos investigar a metadiscursividade em textos dissertativo-argumentativos (tal como nomeados no Enem) a partir das macrocategorias de posicionamento e de engajamento, a fim de propor atividades pedagógicas que visem apresentar as estratégias metadiscursivas e de conduzir o aluno à eficácia da orientação argumentativa. Essa proposta considerou um corpus de 10 redações dissertativo-argumentativas de alunos pré-universitários, a serem analisadas quanto à consistência argumentativa.

EXPERIÊNCIA COMO PROFESSOR SURDO DE LIBRAS COMO L2 PARA OUVINTES

ANTONIO HERCLES COELHO ALMEIDA

RESUMO: O presente trabalho reporta a experiência do ensino de Língua Brasileira de Sinais (Libras) para alunos ouvintes no Núcleo de Cultura Linguística -NCL da Universidade Federal do Maranhão -UFMA, mediado pelo professor surdo, em concordância com o Decreto Federal n.º 5626, de 2005. O trabalho objetiva apresentar a experiência do ensino de Libras como segunda língua para ouvintes através de um professor surdo usuário de Libras como primeira língua no NCL, bem como, fundamentar a importância de oferecer aos surdos a experiência do ensino da Libras e dos alunos ouvintes do convívio e contato direto com professores nativos da língua. O professor surdo, neste contexto, representa o profissional que ensina e divulga a Libras, tornando-se sujeitos capazes de ensinar a língua que lhes representa com propriedade. Os resultados positivos constituíram bases para a continuidade do professor surdo em sala de aula ministrando a disciplina de Libras principalmente nos níveis mais avançados, contribuindo para uma reorganização institucional, em termos curriculares. Também consideramos relevante promover interação linguística nas escolas de línguas proporcionando um melhor aproveitamento linguístico e social para ambos os grupos.

EXPRESSÕES REFERENCIAIS, ÊNFASE ENTONACIONAL E ALGUMAS ESTRATÉGIAS ARGUMENTATIVAS NA CONSTRUÇÃO DO ETHOS DE UM ATIVISTA LGBT DE ARACAJU/SE

Samuel de Souza Matos
Geralda de Oliveira Santos Lima

RESUMO: Nosso objetivo, neste trabalho, é analisar a construção do ethos no depoimento de um ativista LGBT por meio do uso de estratégias referenciais e do marcador conversacional de ênfase entonacional. O depoimento escolhido foi coletado por meio de entrevista aberta, com gravação de voz, e é parte do corpus da nossa pesquisa de mestrado sobre o movimento LGBT da cidade de Aracaju/SE. Focalizamos nosso interesse na Linguística Textual (LT) de base sociocognitiva e interacional, especialmente nos estudos de segunda tendência (CUSTÓDIO FILHO, 2012) em referenciação (MONDADA; DUBOIS, 2003), e na perspectiva da Nova Retórica (PERELMAN; TYTECA, 1996; FERREIRA, 2010; FIORIN, 2018). Partindo do pressuposto de que o texto se inscreve nas práticas sociais em que os embates de pontos de vista dos sujeitos são representados/discursivizados, selecionamos quatro motes temáticos do corpus: i) ser LGBT em Aracaju; ii) combate à LGBTfobia; iii) formas de contribuição do ativista para a população LGBT; iv) acompanhamento sócio-jurídico às pessoas trans. Identificamos, no depoimento do ativista, formas nominais referenciais, predicações das expressões referenciais, ênfases entonacionais, bem como outras estratégias argumentativas, que contribuem para a construção de uma imagem positiva de si mesmo (AMOSSY, 2016).

GÊNEROS ACADÊMICOS EM ENGENHARIA

VALERIA ANGELICA RIBEIRO ARAUZ

RESUMO: Estre trabalho apresenta um estudo inicial das características de gêneros acadêmicos pertinentes à área de Engenharias I (Segundo classificação da Capes) e está relacionado à formação dos alunos do Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Tecnologia. Tem natureza bibliográfica e documental e busca apresentar um delineamento geral desses eventos comunicativos em seus limites determinados pela comunidade discursiva que os legitima. Trabalha no campo interdisciplinar pois busca compreender como as escolhas epistemológicas da área específica influenciam na escrita e na construção das relações entre os usuários com o interesse de produção de material didático para o ensino da Escrita Acadêmica nesse contexto específico de formação de Bacharéis em C&T e futuros engenheiros. Encontra direcionamento teórico nos estudos de Mikhail Bakhtin, John Swales e Luiz Antônio Marcuschi para os conceitos de Gênero Textual e Gênero Discursivo. Ancora-se na compreensão de que o trabalho consciente com a estrutura e as formas de circulação dos gêneros são um meio importante para que os acadêmicos do BiCT/UFMA alcancem sucesso nas comunidades discursivas em que estão ou venham a estar inseridos no campo acadêmico ou profissional.

HETEROGENEIDADES ENUNCIATIVAS, METADISCURSIVIDADE E CONSTRUÇÃO DO PONTO DE VISTA NO GÊNERO TWEET

Carlos Eduardo Silva Pinheiro
Mônica Magalhães Cavalcante

RESUMO: Apoiando-se na problemática do dialogismo bakhtiniano e na noção de sujeito dividido da psicanálise freudo-lacaniana, Authier-Revuz (1982, 2004) propõe um estudo enunciativo do sentido e formula a teoria das Heterogeneidades Enunciativas, segundo a qual a alteridade é um princípio constitutivo da linguagem que pode se manifestar no cotexto de diversas formas. Nesse estudo, pretendemos analisar duas noções fundamentais para a compreensão das formas de representação desse fenômeno enunciativo no texto, ambas consideradas pela autora como itens da metadiscursividade: a representação do discurso outro (RDO) e a autorrepresentação do dizer (ARD). Através da análise da ocorrência desses acontecimentos da enunciação no gênero tweet, tencionamos investigar os limites que aproximam e separam os dois campos, explorando suas variadas formas de manifestação no fio do texto, bem como analisar seus eventuais efeitos na construção do ponto de vista, no sentido enunciativo-interacional, nos casos selecionados. Encaradas como modos de organização do discurso em função da falha constitutiva da linguagem, as formas de representação da heterogeneidade constitutiva materializam a negociação do locutor com o seu próprio dizer. Acreditamos que nesse processo de escolhas e renúncias, pode-se constatar um jogo persuasivo complexo que evidencia a tentativa do enunciador de influenciar o outro.

Hipertextualidade em gêneros digitais

Eduardo Carvalho de Almeida

RESUMO: O propósito deste trabalho é discutir de que forma a hipertextualidade é manifestada em diferentes gêneros digitais. Entendemos a hipertextualidade como o modo de enunciação digital (XAVIER, 2002) e como um fenômeno, formado a partir dos gêneros hipertextuais e realizado de forma multilinear, por meio de enunciados multimodais, integrados de maneira interativa no hiperespaço (LOBO-SOUSA, 2009). Observamos alguns pressupostos de pesquisadores como (i) Bezerra (2009) de que há que se considerar, na análise de gêneros nesse ambiente, um modo de navegação e um modo de leitura, que se alternam; e (ii) Lobo-Sousa (2009), de que esse modo de enunciação só se situa no hiperespaço e de que ele se constituiria pela apresentação de três características: multilinearidade, hipermodalidade e interatividade. A partir dessas observações, comparamos textos pertencentes a gêneros digitais distintos – post do Twitter, artigo científico publicado em meio virtual e verbete da Wikipédia –, o que nos levou à constatação de que a característica da multilinearidade é verificável, nos três gêneros, por meio dos dois modos sugeridos por Bezerra; já as outras duas são mais notadamente expressas no modo de leitura, não havendo grande influência no modo de navegação, a não ser pela presença de links.

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: possibilidades didático-pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa

Aliannie Loiola Freitas Araujo
Marília Cerveira de Carvalho

RESUMO: A história em quadrinho é um gênero textual que ganhou notoriedade mundial através de personagens e narrativas que atravessaram o ambiente da HQ, foram adaptadas e ganharam espaço cinematográfico. Isso pode confirmar a importância e o papel reservado a esse gênero textual no âmbito social e, por isso, um trabalho que se propõe a explorar as possibilidades didáticas desse gênero revela-se pertinente socialmente. As HQs apresentam uma linguagem de fácil acesso que é viabilizada por linguagem que envolve o verbal e o não verbal de forma dinâmica e atualizada, em consonância com a cultura e a sociedade ais quais representam. Ademais, esse gênero apresenta possibilidades pedagógicas que podem ser aproveitada interdisciplinar e transdisciplinar, em aulas de diferentes componentes curriculares, em especial, nas aulas de Língua Portuguesa. Nesta disciplina, uma das possiblidades é a didatização desse gênero como instrumento de ensino dos eixos da leitura e escrita, visando o desenvolvimento dessas duas habilidades. Além disso, a aplicação de uma sequência didática adequada desse gênero pode ampliar as possibilidades de criar espaço favorável, não só para a leitura e escrita, como também para discussão e reflexão de temas relevantes socialmente, dado o caráter interdiscursivo desse gênero. (VERGUEIRO, 2010).

IDENTIDADE, REFERENCIAÇÃO E IDEOLOGIA NO DISCURSO DE POSSE DE JAIR MESSIAS BOLSONARO

Carlos Eduardo de Paula Santos
Jefferson Gomes Oliveira

RESUMO: A presente pesquisa objetiva analisar como se constitui a identidade social do sujeito-autor no discurso de posse de Jair Messias Bolsonaro, por meio dos processos de referenciação. Para alcançar tal objetivo, lançaremos mão de análise interpretativa do corpus que centralize-se teoricamente na Linguística Textual (LT) (Koch, 2017; Marcuschi, 2008), em especial, no que concerne à referenciação como recurso fundamental para a construção de sentido do texto, observando os processos referenciais como veículos importantes de exposição ideológica e construção identitária. Entendendo e considerando a relevância dos estudos sobre as concepções de linguagem de Charaudeau (2012) e de identidade de Hall (1999), propusemo-nos buscar dentro do texto (relacionado, de modo geral, ao pensamento conservador, religioso e neoliberal de (extrema) direita) temas e posicionamentos, que podem revelar o perfil do governante e os anseios do novo eleitor brasileiro, visto que, como afirma Martins (2009), o nosso discurso define propósitos, expõe crenças e valores, reflete visões de mundo e do grupo social em que vivemos e, portanto, representamos.

Interação e gêneros digitais para além da fala e da escrita

Isabel Muniz Lima

RESUMO: Esta comunicação tem o objetivo de refletir sobre o conceito de interação e seus modos. Em Marcuschi (2010), as interações falada e escrita são apresentadas em um contínuo, no qual os gêneros do discurso são organizados. Tal estudo nos motivou a refletir sobre os gêneros digitais, os quais se realizam em interações que vão muito além da fala e da escrita. Neste trabalho, defendemos que o termo interação diz respeito a práticas comunicativas que envolvem diferentes sistemas semióticos, não só o falado e o escrito, mas também o sonoro, o gestual, o imagético, entre outros. Acreditamos que as interações são influenciadas por aspectos, como o grau de formalidade (formal/informal), a sincronicidade (síncrona/assíncrona) e o tipo de gestão (monogerida/poligerida). Além desses fatores, pressupomos que o tipo de mídia (BONINI, 2011), sobretudo a internet, exerce forte influência no surgimento de novas interações. Dessa forma, sob o escopo teórico da Linguística Textual, caracterizaremos as interações que acontecem em diferentes mídias, relacionando-as aos gêneros do discurso, a fim de ampliar a perspectiva do contínuo entre fala e escrita.

INTRODUÇÕES DO GÊNERO MONOGRAFIA: UMA ANÁLISE À LUZ DO MODELO CARS, DE JOHN MALCOLM SWALES

Gilvan Santos Gonçalves

RESUMO: RESUMO: Este artigo aborda a organização retórica do gênero introdução de monografia apresentados no Curso de Geografia Licenciatura, especificamente no período de 2011 a 2013, na Universidade Estadual do Maranhão-UEMA. O objetivo é descrever os passos retóricos e a organização dessas introduções, a partir da abordagem teórico-metodológica da análise de gênero textual de linha anglo-americana, o artigo utiliza a nova retórica de Carolyn Rae Miller (1984, 1994), Charles Bazerman (1997), Luiz Antônio Marcuschi (2010) e a sociorretórica de John Malcolm Swales (1990). A organização retórica dessas introduções propõe fornecer subsídios para que os estudantes de graduação reconheçam e exercitem os gêneros textuais acadêmicos a partir de suas características formais e funcionais, a fim de que realizem eficazmente os propósitos comunicativos de cada gênero textual e entendam as práticas sociais que os envolvam em qualquer comunidade discursiva e acadêmica. Para isso, utilizou-se um corpora com exemplares de introduções monográficas que serviram de base para análise sociorretórica de gêneros, em especial o modelo CARS, proposto por Swales (1990).

LEITURA EM LÍNGUA INGLESA NO 3º ANO DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA

Samara Oliveira de Gois
Marize Barros Rocha Aranha

RESUMO: Este trabalho, recorte da minha pesquisa no Programa de Pós-Graduação em Gestão de Ensino da Educação Básica – PPGEEB – UFMA, investiga de que maneira a habilidade de leitura em Língua Inglesa é proposta em duas salas de aula do 3º ano do Ensino Médio do Centro de Ensino Professor Barjonas Lobão, Escola Pública Estadual do Maranhão, considerando também as expectativas desta disciplina no Exame Nacional do Ensino Médio. Define a importância da leitura em Língua Inglesa como habilidade lecionada na Educação Básica e discute alguns de seus mecanismos, tomando como pressupostos as ideias de Moita Lopes (1996), Oliveira (2015) e Paiva (2005). Para materialização desta pesquisa, utilizamos como metodologia a pesquisa-ação com o objetivo de provocar a reflexão por parte da docente e dos discentes da série analisada. Como instrumentos de coletas de dados, aplicamos um questionário diagnóstico e outro pós-intervenção com os alunos, entrevista semi-estruturada com a professora de Inglês e observação de aulas com registros em formulário previamente elaborado. Os resultados parciais de nossa análise da pesquisa apontam uma abordagem docente com foco no trabalho de textos, porém sem um desenvolvimento consistente de estratégias de leitura que possam auxiliar os alunos na interpretação textual e na resolução de questões.

LETRAMENTO E PRODUÇÃO DE GÊNEROS TEXTUAIS: DA TEORIA À PRÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO

LETICIA RODRIGUES DA SILVA

RESUMO: As constantes inovações de letramento e gêneros textuais a que estamos expostos, dentro e fora da sala de aula, põem em evidencia de modo acentuado a dinamicidade e a plasticidades das práticas no ensino de produção de leitura e escrita textual como instrumentos indissociáveis na formação do aluno de ensino médio. Esse aluno necessita organizar e integrar conhecimentos do cotidiano com os institucionalizados pela escola. Assim sendo, letramento propiciará uma prática significativa na produção de gêneros textuais, da leitura à escrita em diversos contextos de usos. Indo além da codificação e decodificação do texto de modo que possibilita uma ressignificação com base no meio social em que o indivíduo está inserido. Esse trabalho tratará, primeiramente de uma introdução sobre as áreas aqui citadas e, no segundo, discutiremos sobre a importância de um ensino pautado no letramento para alunos do ensino médio. Uma vez que acreditamos em um ensino pautado no texto contribui de maneira significativa para o desenvolvimento tanto linguístico quanto crítico do aluno. A fundamentação teórica é baseada em estudos de Ângela Kleimam (2004), Magda Soares (1998), além de teóricos que contribuem para tratarmos as questões sobre gênero textual como Schneuwly e Dolz (2004), Koch (1997), Marcuschi (2008).

LINGUAGEM E SURDEZ: elementos coesivos nos textos escritos produzidos por surdos

Josiane Coelho da Costa
Heridan de Jesus Guterres Pavão Ferreira

RESUMO: Com os crescentes estudos acerca da surdez, Libras (Língua brasileira de sinais), sobretudo, a estrutura linguística e toda sua complexidade, notou-se grande fragilidade na escrita dos surdos. Considerando que a Libras é uma língua ágrafa e a escrita é uma prática indispensável na atualidade, buscou-se no presente trabalho analisar os elementos coesivos na construção frasal da escrita do surdo. Agrega ainda discussões acerca da relação de sentindo sobre os textos em que são expostos. Para análise, foram coletados dados de dois surdos em diferentes níveis de escolaridade, que, a partir de leitura e produção textual, demonstraram compreensão relacionada à leitura e algumas fragilidades na escrita. Os resultados apontaram ainda ausência de elementos textuais importantes; sentenças desordenadas; uso incorreto de conectivos e similaridade da escrita com a sinalização da Libras. A partir do estudo, percebeu-se que as questões que envolvem produções textuais dos surdos é bastante complexa e não há respostas fáceis e prontas para explicar, entretanto, vale destacar que uma reformulação do sistema educacional voltada às especificidades dessa minoria linguística, bem como, políticas educativas sejam necessárias para maior qualificação no processo educacional dos surdos, no que tange o Português em sua modalidade escrita.

LINGUAGEM: O pensamento científico na proposta gerativista

Gabriela Lages Veloso
Ana Maria Sá Martins

RESUMO: A linguística, enquanto ciência da linguagem, tem um amplo raio de estudo, visto as suas várias teorias, que divergem entre si, pois cada uma apresenta um objeto de estudo próprio. Através do avanço das pesquisas científicas, mas especificamente na década de 60, surge um novo modelo teórico, o Gerativismo. Com Chomsky, há uma virada nos fenômenos linguísticos, porque o foco passa a ser a mente humana, considerada a única morada da linguagem. Nesse contexto, o escopo deste trabalho é traçar uma discussão, em linhas gerais, dos conceitos indispensáveis para o entendimento da Linguística Gerativa, tais como as noções de aquisição e faculdade da linguagem, inatismo, sintagmas, competência e desempenho linguísticos, a teoria de princípios e parâmetros, e assim por diante . Para tanto, utilizou-se como aporte teórico os estudos de Eduardo Kenedy (2013); Noam Chomsky (1998); Mioto (2005); José Ferrari Neto (2015), Vicente e Pilati (2013), dentre outros, a fim de simplificar o entendimento sobre o Gerativismo.

MEMES, DE ONDE E PARA ONDE: UM ESTUDO SOBRE INTERTEXTUALIDADE

Carlos André Silva Ferreira
Antonia Suele de Souza Alves Pereira

RESUMO: Meme é um novo gênero, bastante utilizado e pouco estudado. Sua estrutura e formatação são bastante peculiares, a sua divulgação e fácil circulação os modificam rapidamente. Isso significa que as pesquisas precisam se atualizar na mesma frequência assim, poderemos identificar os processos que ocorrem durante a consolidação de um gênero. Nosso trabalho analisa alguns dos últimos grupos de memes circulados no Brasil e exteriormente. Observando e buscando o (os) processo (os) de intertextualidade que ocorrem nesses gêneros, buscando identificar quais processos intertextuais estão presentes, fazendo uma minuciosa classificação e comparação entre eles, com a finalidade de categorizarmos o (os) fenômeno (os) intertextual (ais) e tecer reflexões sobre os conceitos. As imagens dos memes foram buscadas em seu maior veículo: na internet (em blogs e em redes sociais). Faremos uma associação dos conceitos apresentados pelos teóricos da área aos exemplos de gêneros analisados, com o objetivo de observar o fenômeno da intertextualidade em um gênero tão dinâmico e emergente. Para isso, nos embasaremos em Koch (2004), Bentes e Cavalcante (2007), Nobre (2014), Pereira (2015) e Santana (2007). As reflexões apresentadas em nosso trabalho podem fornecer elementos para uma rediscussão sobre os critérios utilizados na identificação de um processo intertextual.

Metáforas conceituais presentes na construção de argumentos nos textos publicitários

Rosa de Sharon Pereira do Nascimento Silva
Marize Barros Rocha Aranha

RESUMO: Esta pesquisa tem como objetivo identificar as metáforas conceituais presentes na construção de argumentos nos textos publicitários extraídos da internet. Examinaremos os discursos e os modelos mentais neles construídos no intuito de chamar atenção do público para a propaganda ou anúncio em questão. Para o desenvolvimento desta pesquisa, a abordagem teórica escolhida está firmada na Teoria da Metáfora Conceitual (TMC). Essa perspectiva linguística traz uma visão da linguagem como forma de conhecimento por meio da experiência humana do mundo. As bases de organização de sistemas conceptuais, os princípios de categorização da realidade, os mecanismos de processamento, e a experiência individual, social e cultural constituem manifestações de capacidades cognitivas e devem ser tratadas como unidades e estruturas da língua. A literatura nas quais esta pesquisa se fundamenta são: Lakoff & Johnson (1980, 1999), FAUCONNIER (1985). Para materialização desta pesquisa, selecionaremos imagens e textos pertinentes ao corpus proposto encontrados em sites e plataformas interativas. Espera-se ao final da pesquisa identificar a relação entre metáforas conceituais presentes no discurso do anunciante com os tipos de metáforas e modelos mentais encontrados na Teoria da Metáfora Conceitual (TMC).

Mito, memória e identidade: processos de recategorização metafórica na construção do imaginário popular sobre Lampião

Thiago Gonçalves Cardoso

RESUMO: Elegemos “o Rei do Cangaço”, referenciado na história oral, isto é, em depoimentos dos cidadãos de Poço Redondo/SE, como foco deste estudo, tendo como âncora a teoria da referenciação. Dentro dessa teoria, o processo da recategorização metafórica ganhará destaque por licenciar “o Governador do sertão” enquanto uma figura complexa, contraditória, que se apresenta aos homens transitando entre o bem e o mal, entre o sagrado e o profano, entre o santo e o demônio, pontos de vista que o referenciam como uma figura mítica e multifacetada na construção da memória coletiva do povo do sertão sergipano. Diante disso, nossa proposta é investigar, à luz do diálogo entre teorias sociais, históricas, cognitivas e textual/discursivas, como Lampião é manifestado no imaginário mítico da população de Poço Redondo/SE, por intermédio de processos de recategorização instanciados por metáforas. Para isso nos debruçamos sobre os estudos de Lima (2009), Souza (1997), Ferreira e Amaury (1997), Mondada e Dubois (2003), Halbwachs (1990), entre outros.

MODOS DE OBJETIVAÇÃO DO SUJEITO SURDO NO ESTATUTO DA ASMA

SILVIA CLEIDE PIQUIÁ DOS SANTOS
ILZA GALVÃO CUTRIM

RESUMO: O sujeito é uma construção histórica, produzida pelas relações de poder tecidas nos fios da história. Existem várias verdades sobre o sujeito surdo presentes em documentos legais os quais influenciam direta ou indiretamente a forma como a sociedade o constrói, ou seja, como eles são objetivados em diferentes campos do saber ao longo do seu processo de formação. Os modos de objetivação, vale destacar, variam de acordo com o campo do saber. O saber médico, por exemplo, possui um olhar sobre o sujeito surdo, e uma visão de reabilitação da fala com o intuito de suprir a ausência da audição. Neste trabalho, pretende-se discutir as formas de objetivação dos sujeitos surdos, por meio da análise do Estatuto da ASMA de 2012, segundo uma perspectiva do saber médico. A pesquisa baseia-se na metodologia da Análise do Discurso francesa e nos estudos sobre práticas discursivas, sujeito e modos de subjetivação, presentes nos estudos de matiz foucaultiana.

MULHERES CIVILIZADAS E MODERNAS: IDENTIDADE E SUBJETIVIDADE NA SÃO LUÍS DE MEADOS DO SÉCULO XIX

Mylena Frazão da Cruz
Ilza Galvão Cutrim

RESUMO: Grandes fatos sociais, econômicos e políticos mudaram o cenário do Brasil de meados do século XIX, afetando profundamente a vida dos cidadãos brasileiros que viviam nos grandes centros urbanos, incluindo a elite de São Luís, capital do Maranhão, que se propõe a cultivar novos hábitos culturais e novos costumes, inspirados nos modelos europeus. Nesse período, há uma grande circulação de manuais de etiqueta que, atrelados à mídia, eram responsáveis por incorporar ao convívio social novas regras sobre o portar-se e o vestir-se consideradas mais civilizadas e modernas. Tomando a mulher da elite ludovicense principal foco desses dispositivos, como objeto discursivo, buscamos identificar as práticas discursivas e os sentidos identitários que a mídia da época produziu sobre ela, assim como seus modos de subjetivação. Tomamos como corpus de análise propagandas, imagens e crônicas retiradas dos periódicos A Fita (1918), A Pacotilha (1912), A Avenida (1909), d’A Revista do Norte (1905) e da Revista Elegante (1896). Trazemos como aporte teórico para este estudo a Análise do Discurso de linha francesa, apoiada nas considerações foucaultianas (2018) sobre discurso, arqueogenealogia e dispositivo, ademais trazemos as considerações de Elias (1994) sobre o processo civilizador e Hall (2001) e suas discussões sobre identidade.

NARRATIVA CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA: UM ESTUDO SOBRE O DIALOGISMO NA OBRA MORANGOS MOFADOS(1982), de Caio Fernando Abreu

Mariane Santos Ferreira

RESUMO: Pela concepção dialógica de Bakhtin (2006) , ação enunciativa do sujeito está atravessada pelo discurso de outrem. As dimensões alcançadas por esse processo se direcionam para além do tema do discurso, ele participa também da ação sintática e semântica. Nesse sentido, Bakhtin (2002), também concebe que o discurso literário perpassa pelo mesmo processo discursivo, no qual a forma e conteúdo da obra se unem num só discurso. O sentido é formado por meio das experiências subjetivas que o criador estabelece com a sociedade. Esta pesquisa buscar demonstrar na coletânea de contos “Morangos Mofados” (1982), os recursos dialógicos utilizados pelo autor na construção da sua narrativa que se manifesta a partir de uma perspectiva estética de unir forma e conteúdo, pois as narrativas contam a história de personagens submersos em contexto de caoticidade, decorrente do período da Ditadura Militar, do qual resultam em personagens com personalidades fragmentadas, o texto do autor acompanha a estrutura fragmentada desses sujeitos. Nesse estudo a obra em análise é compreendida pela visão estética de Adorno (2003), no que diz respeito a fragmentação formal das narrativas contemporâneas. Com tal pesquisa espera-se contribuir para os estudos acerca da construção narrativa da literatura contemporânea brasileira.

O Belo, a Identidade e a Referenciação: construção de sentidos

Ana Claudia dos Santos Silva Oliveira

RESUMO: Este estudo objetiva analisar o uso da Referenciação através da construção do conceito de beleza mediante a comparação da sua representação em comerciais de uma empresa de cosméticos, subjacente ao discurso que tematiza a ideia do belo oriundo das transformações do sujeito e suas identidades . A partir de uma breve análise do conceito de beleza e de duas obras que abordam o tema da identidade através de análises sociológicas, e dos conceitos e processos atuais de Referenciação, procuramos mostrar como o discurso das propagandas de cosméticos, a partir das suas mudanças de abordagens e demonstrações de paradigmas secularmente consolidados e mantidos pela sociedade ocidental, demonstra uma relação estreita com a ideia de que a Referenciação vai além dos conceitos prontos e acabados de textos, mas participa da construção do discurso e, consequentemente, até mesmo de transformações sociais de identidade. Para sustentar nossa análise, apoiamo-nos nas teorias sobre a identidade e a subjetividade de pensadores como Stuart Hall, Tomaz Tadeu Silva e Mônica Magalhães Cavalcante em Referenciação.

O CONTO INFANTIL NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

D''jullian Glay Pereira Soares
Rosana Araújo Rocha

RESUMO: Esta pesquisa parte do pressuposto de que os gêneros textuais podem ser usados para promover e ampliar conhecimentos de Libras no processo de alfabetização. Pensando nisso, este artigo pretende a partir do conto “Os três porquinhos”, oferecer uma proposta de ensino de Libras como L2 para alunos ouvintes do 2° ano do ensino fundamental, em uma perspectiva de educação bilíngue. A proposta apresenta uma sequência didática para trabalhar a partir do conto: numerais e relação figura/nome por meio de uma abordagem interdisciplinar envolvendo áreas de conhecimento Matemática e Língua Portuguesa. Para tanto faz-se relevante tratar nos capítulos desse artigo assuntos relacionados a Educação bilíngue; Alfabetização e contos infantis; literatura infantil e libras, temas que discorrem e fundamentam a relevância do trabalho. Buscam-se ainda mais informações da relevância dos gêneros textual conto infantil no cumprimento de um papel pedagógico no processo de alfabetização, ao viabilizar acesso às crianças a literatura, cultura e desenvolvimento sinalar de forma lúdica e criativa. De modo a fundamentar teoricamente esta reflexão, escolheu-se Quadros (2008) bem como o Relatório do Grupo de Trabalho que trata da política de educação bilíngue, baseada nas portarias 1.060 (2013) e 091 (2013).

O CORPO DO HOMEM FORJADO PELA MODA NAS PÁGINAS DA REVISTA ELEGANTE (1892)

Denisy Feitoza Aires
Ilza do Socorro Galvão Cutrim

RESUMO: Este resumo é fruto de uma pesquisa em andamento intitulada O corpo e o olhar: efeitos de sentido no discurso, com financiamento FAPEMA, que busca identificar quais os saberes veiculados pela mídia publicitária que, atravessados pelo dispositivo moda, fabricam o sujeito-homem-elegante, entre o fim do século XIX e início do século XX. As mudanças acarretadas pela modernidade exigiram do homem, na capital maranhense, um modelo de comportamento civilizado que orientava grupos sociais ávidos por prestígio. Um dos elementos de diferenciação social era a moda produzida em Paris, tomada como padrão de elegância. Para compreendermos o funcionamento discursivo da moda mobilizado pela mídia, analisamos uma carta ao leitor retirada da Revista Elegante (1892) cujo conteúdo traduz um conjunto de prescrições para o homem elegante. Mídia e moda são classificadas como dispositivos que, juntos, constituíram saberes que exerciam o poder de forjar a subjetividade do “sexo forte” naquela época. Tomamos os conceitos fundamentais da Análise do Discurso de linha francesa aliados à conceituação de dispositivo segundo Paixão (2013), Milanez (2006) e Sales (2016). E para compreender a relação entre moda e a realidade social de São Luís no período determinado nos apropriamos de Feijão (2013), Silva (2008) e Souza (1987).

O DESENHO COMO LINGUAGEM PARA A ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA

Aline Borges da Silva

RESUMO: A preocupação básica deste artigo é refletir sobre a utilização de metodologias alternativas, como a produção de desenho dentro do Ensino de Ciências. Analisa-se como a elaboração de desenhos, pode contribuir no processo de alfabetização científica. Realizou-se uma pesquisa bibliográfica considerando o pensamento dos autores Chassot (2000), Soares (2004), Freire (2016), Almeida e Bezerra (2018) entre outros. Inicialmente, a pesquisa procura conceituar o termo “alfabetização científica”. Posteriormente, expõe-se a importância e os objetivos do ensino de Ciências nas escolas. Enfatiza-se que o desenho pode se configurar em uma forma de linguagem complexa, que demanda uma atividade cognitiva elaborada e autônoma e que pode incentivar a criança a desenvolver o pensamento crítico e reflexivo, sobre os conceitos científicos aprendidos em Ciências Naturais, bem como relacioná-los com seu cotidiano e manter um diálogo em sala com o(a) professor(a), o que facilita o processo de avaliação e contribui para o melhoramento da formação do indivíduo na Educação Básica.

O DISCURSO CIENTÍFICO NO JORNALISMO IMPRESSO: reflexões introdutórias sobre a revista Galileu

NOEMY LAYSE MENDES DOS SANTOS
CLÁUBERSON CORREA CARVALHO

RESUMO: Esta pesquisa pretende apresentar reflexões introdutórias acerca do discurso científico no jornalismo impresso, realizando um estudo de caso da revista Galileu.São adotados os fundamentos teóricos da Análise do Discurso, nos estudos de Orlandi (2008), Fernandes (2008) e Pinto (1999), uma vez que o discurso aqui abordado é constituído de elementos linguísticos que se referem a questões e aspectos socioideológicos, encontrados constantemente em materiais jornalísticos.Recorre-se também ao Jornalismo de Revista, com Scalzo (2014) e Tavares e Schwabb (2013), a fim de analisar o papel da revista na complementação da educação, relacionada intimamente com a divulgação da ciência e construída a partir de opiniões de especialistas. No âmbito do Jornalismo Científico, com auxílio de Oliveira (2003), Bueno (1988) e Erbolato (1981), busca-se compreender o papel do jornalismo científico na divulgação da ciência ao leitor que não possui conhecimentos específicos em determinadas áreas. Neste contexto, a pesquisa mostra-se indispensável para os estudos interdisciplinares em Comunicação e Análise do Discurso.

O DISCURSO DA SUSTENTABILIDADE SOB O OLHAR DA GOVERNAMENTALIDADE

Bruno da Silva Rodrigues

RESUMO: Este estudo tem como objetivo analisar algumas práticas discursivas, pensadas à luz do conceito foucaultiano de governamentalidade (FOUCAULT, 2008), que, ao tomarem a cidade de São Luís como um objeto de discurso, fazem aparecer novos olhares e sentidos a respeito da ideia de sustentabilidade e preservação do espaço urbano da capital que, em cadeia, instauram uma ordem do discurso (FOUCAULT, 2011) que incide sob a população ludovicense: o morador ideal. Esse sujeito morador requerido pelo poder, não aparece de forma explicita nas propagandas e imagens publicadas nas redes sociais da prefeitura, no entanto, é possível percebê-lo a partir de enunciados linguísticos, tais como “cidadão limpeza, cidade beleza”, e imagéticos que, na relação do dito e do não dito, dizem/significam que o morador da ilha não pode ser qualquer um, deve ser um cidadão consciente, que a ame e que a preserve. Este estudo está ancorado nos pressupostos teóricos metodológicos da Análise de Discurso francesa fundada por Michel Pêcheux, ao pensar, em sua última fase, o discurso como uma estrutura e um acontecimento (PÊCHEUX, 2006), em diálogo com as contribuições do filósofo Michel Foucault, ao vê-lo como um “espaço onde língua e história se entrecruzam” (NAVARRO, 2006), sem deixar, por nenhum momento, de pensar o sujeito.

O DISCURSO JORNALÍSTICO SOBRE A VIOLÊNCIA: reflexões introdutórias sobre o jornal Itaqui-Bacanga

Kilma Beatriz Figueredo Silva
Cláuberson Correa Carvalho

RESUMO: Esta pesquisa apresenta reflexões introdutórias sobre o discurso da violência corporificado no jornal Itaqui-Bacanga. Para isso, parte-se de pressupostos teóricos da Análise do Discurso, nos estudos de Orlandi (2008) e Fernandes (2008), a fim de compreender o contexto de produção do discurso, para entender traços sociais e ideológicos. Recorre-se também a Dias (2008) para analisar o discurso da violência enquanto representação social, ancorada em aspectos linguísticos e discursivos; a Erbolato (1981), com o propósito de examinar o jornalismo policial e sua prática na imprensa, construída a partir da orientação de cada empresa jornalística; e a Angrimani Sobrinho (1995), a fim de compreender a forma de construção sensacionalista e seus critérios de intensificação. Nesse contexto, a pesquisa mostra-se importante para compreender como jornalismo policial utiliza de estratégias textuais e discursivas para representar a violência como fenômeno social.

O DISCUSO JORNALÍSTICO SOBRE CULTURA: reflexões introdutórias sobre o jornal O Estado do Maranhão

Cristhian Pereira Monção
Cláuberson Correa Carvalho

RESUMO: Este trabalho pretende apresentar reflexões introdutórias sobre o discurso jornalístico materializado no caderno de cultura do jornal O Estado do Maranhão. Para isso, fundamenta-se nos estudos da Análise do Discurso, com base em Orlandi (2005) e Fernandes (2008), para quem o discurso evoca sentidos ideologicamente construídos de diferentes lugares sociais; nos de Laraia (2001), para explicar o processo de constituição da cultura; e nos de Piza (2003), para conceituar as bases do jornalismo cultural na contemporaneidade. Entende-se o jornalismo cultural como uma prática social discursiva especializada com particularidades próprias de constituição que se difere do modelo tradicional de construção de informação. Conceitua-se cultura como sendo um campo simbólico que caracteriza determinados grupos sociais através de signos, costumes, valores e práticas sociais especificas. A relevância deste trabalho consiste em compreender como o discurso jornalístico é interpelado por interdiscursos econômicos, políticos e sociais nos modos em que se produz o dizer sobre cultura. Palavras- chave: Discurso; Jornalismo; Cultura.

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: INTERAÇÃO E PRODUÇÃO TEXTUAL NO ENSINO FUNDAMENTAL

Adriano Nascimento silva
Antônia Elizelma Silva Bezerra

RESUMO: Este trabalho teve como finalidade mostrar como ocorre a relação entre educador e educando, aluno-aluno e discente-texto na escola Comandante Castilhos França, no estado do Pará, pois tais relações são responsáveis pelo êxito ou fracasso escolar. Além de verificar a leitura e as produções escritas dos alunos do Ensino Fundamental maior, as quais focalizaram vários problemas, esses analisados de forma quantitativa e qualitativa, tendo como suporte 10% de questionários respondidos por discentes de uma turma de cada série, também foram coletadas respostas dos educadores de Língua Portuguesa por meio de questionários de todos os docentes de linguagens e análise também de 10% das produções textuais feitas pelos alunos. Para tanto, alguns autores contribuem com seus estudos, a exemplificar, Ingedore Vilaça Koch (1889), a qual defende a produção textual e seus constituintes; além dos aspectos teóricos sobre gêneros e tipos textuais apresentados por Bakhtin (2003); e a contribuição de Marcuschi na construção de sentido dos gêneros. A pesquisa destacou como resultado uma grande deficiência tanto na leitura quanto na escrita. Com isso, percebe-se a necessidade da prática constante do ato de ler e escrever, que devido à extensão do conteúdo programático, esses processos são deixados a desejar na prática docente.

O fenômeno da intertextualidade nas postagens do perfil "Barbie e Ken, cidadãos de bem"

Caroline Bezerra Lima
Francisco Eduardo Mendes dos Santos

RESUMO: Nos estudos da Linguística Textual, a intertextualidade, foco desse trabalho, é um fator textual imprescindível para o entendimento dos enunciados, uma vez que há uma dialogicidade entre textos. Desse modo, temos como principal objetivo deste trabalho investigar o fenômeno da intertextualidade na construção de sentido no gênero meme e consequentemente a sua manifestação na linguagem verbo-imagética, através de recorte de postagens no Facebook. Assim, a investigação proposta originou-se da hipótese de que as estratégias de intertextualidade contribuem de maneira significativa para a produção de sentido dos gêneros meme. Diante do objetivo proposto, circunscreve-se em um estudo qualitativo, que assume como procedimento a pesquisa bibliográfica, fundamentada nos estudos destes linguistas: Cavalcante (2018), Marcuschi (2008), Koch (2012), Bentes (2004), Lima-Neto (2014). O corpus selecionado para investigação foi às postagens retiradas do perfil “Barbie e Ken, cidadãos de bem”. Esta é construída por meio do retrato do cotidiano de dois personagens fictícios – Barbie e Ken. Ao final dessa pesquisa, percebeu-se que as relações intertextuais influenciam na construção de sentido dos memes, em específicos no que tange a evocar o tom humorístico. Ademais, esperamos que esse trabalho contribua para o desenvolvimento estudos posteriores a respeito do processo de intertextualidades.

O GÊNERO CARTILHA COMO AUXILIAR PARA O GERENCIAMENTO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Karen Laynne Ferreira de Sousa
Felipe Marques Silva

RESUMO: O gerenciamento sustentável de resíduos na construção civil é uma necessidade fundamental para a preservação ambiental em áreas urbanas. No entanto, muitas pessoas são desprovidas do conhecimento técnico sobre as ações adequadas para o manejo desse material quando realizam pequenas obras domésticas. O gênero Cartilha surge como um meio eficaz para facilitar a divulgação dessas informações em uma linguagem que equilibre o grau de informatividade e a acessibilidade ao conteúdo técnico. Visando tal realidade, o objetivo principal deste trabalho é a elaboração de uma cartilha informativa para a comunidade, a partir do estudo desse gênero textual. A Cartilha elaborada mostra a forma correta de descartar os RCC (Resíduos da Construção Civil) com base nas normas ambientais, transcrevendo-as assim, para um vocabulário simples e acessível, que facilite a compreensão do leitor sobre o tema abordado. A escolha dos meios digitais para a sua divulgação também constitui objeto de estudo e pretende amplificar o acesso dos usuários a um tipo de informação relevante e de qualidade.

O GÊNERO TEXTUAL: O TRABALHO COM O ARTIGO DE OPINIÃO EM SALA DE AULA

Raina Kathleem Apoliano da Silva

RESUMO: Os gêneros textuais estão presentes em toda a constituição do dizer, o gênero é uma ação social e isso faz com que estejamos inseridos dentro do “mundo dos gêneros” ainda que não reflitamos sobre isso. É pensando através dessa perspectiva que temos a seguinte pergunta norteadora deste artigo: como os alunos do 3º ano do ensino médio de uma escola rural de Bacabal-MA mobilizam os saberes da sua comunidade para produzir um artigo de opinião a partir de uma estratégia de trabalho com o gênero textual em sala de aula?. Buscando solucionar esse questionamento, objetivamos analisar como os alunos do 3º ano dessa escola rural produziram seus artigos de opinião nas oficinas ofertadas de trabalho com a escrita. Elaboramos um relato de experiência das oficinas de escrita, as quais visavam o ensino do gênero textual artigo de opinião seguindo a temática “O lugar onde vivo”, proposta da Olimpíada de Língua Portuguesa (2019), e tomamos como objeto de análise os textos produzidos pelos alunos. Trata-se de uma pesquisa etnográfica com uma abordagem qualitativa. Como referencial teórico utilizamos Koch (2015), Bagno (2002) e Geraldi (2004), entre outros autores.

O GÊNERO HORÓSCOPO E SUA ESTRUTURA DISCURSIVA E SEQUENCIAL NA PÁGINA "ASTROLOUCAMENTE" NO INSTAGRAM

Leudson da Silva Coelho
Maria da Graça dos Santos Faria

RESUMO: As concepções bakhtinianas (1992) permitem-nos salientar que a língua é resultado do processo de interação verbal, sociocultural e historicamente determinado. Ao fazer uso da língua, as diferentes esferas sociais em razão dos seus interesses comunicativos específicos constituem diferentes textos os quais possuem características relativamente estáveis sendo estes denominados de gêneros do discurso (Bakhtin, 1992). Os gêneros são constituídos por “esquemas linguísticos” básicos, isto é, sequências textuais na terminologia de Adam (1992), também chamadas de tipos textuais, conforme Bronckart (1999). Entendendo a relevância do estudo dos gêneros e das sequências textuais para a compreensão e funcionamento dos textos, propusemo-nos a estudar a sequência textual injuntiva. Nesse sentido, o objetivo é investigar a sequência tipológica injuntiva no gênero horóscopo na rede social Instagram, com o intuito de observar as implicações discursivas resultante de seu uso, sua configuração prototípica e suas características formais. Para alcançar tal objetivo, lançaremos mão de estratégias como: teorias, coleta, tratamento e análise do corpus. Esperamos com esta pesquisa contribuir para o estudo linguístico-discursivo da injunção na área da Linguística Textual e possíveis aplicações dos resultados obtidos no âmbito do ensino de língua portuguesa.

O PLÁGIO SOB UMA ÓTICA TEXTUAL-DISCURSIVA

José Elderson de Souza Santos

RESUMO: “Se o plágio é uma questão jurídica, o texto escrito e os mecanismos linguísticos usuais de dissimulação do texto alheio são questões de linguagem.” (CHRISTOFE, 1996, p. 10). Embasados nessa premissa, objetivamos apontar quais contribuições a Linguística Textual pode dar para análise das marcas contextuais do plágio e à investigação das sanções sociais impostas à prática. Consideramos que tais marcas decorrem de um movimento duplo de manutenção do texto-fonte e sua camuflagem. Esse duplo movimento visa ao apagamento das ocorrências, servindo, entretanto, para identificá-las. As sanções sociais tendem a variar entre domínios discursivos distintos, sendo essa diferenciação flagrável nos gêneros discursivos. Assim, investigaremos, sob a ótica textual-discursiva, o plágio como prática sancionada socialmente que demanda rigorosamente processos intertextuais. Para isso, trataremos da intertextualidade, propositando explicar a constituição do plágio e realizando apontamentos das marcas contextuais utilizadas para identificar a prática. Investigaremos ainda como o plágio incorpora, em sua realização, movimentos de processos intertextuais como citações, paráfrases, paródias e pastiches. Adiante, abordamos os gêneros discursivos e suas normas de circulação, propositando discutir as sanções sociais que regulam o plágio em gêneros distintos.

O PRONOME RELATIVO COMO RECURSO DE COESÃO TEXTUAL NOS HIPERTEXTOS DA REDE SOCIAL FACEBOOK

Eveline dos Santos Jardim
Veraluce da Silva Lima

RESUMO: O estudo visa investigar o emprego do pronome relativo como recurso de coesão textual nos hipertextos digitais, considerando o mecanismo da reiteração por substituição gramatical proposto por Antunes (2005). Como um fator responsável pela continuidade semântica das informações que vão se estabelecendo no desenvolvimento da textualidade, esse mecanismo contribui para a construção dos sentidos expressos na tessitura textual que dá forma à materialidade dos hipertextos. Os principais autores que dão suporte teórico são: Antunes (2005), Costa Val (1994), Fávero (1991), Koch (2002, 2009), Lèvy (1993,1996,1999), Marcuschi (2010, 2012), dentre outros que discutem os fundamentos da Linguística Textual e da Linguística da Internet. Os procedimentos metodológicos são de base qualitativa, tendo como princípio de coleta de dados a construção de um corpus, a partir da captura de hipertextos na Rede Social Facebook. Como procedimentos de análise, primeiramente, serão selecionados os hipertextos do corpus construído e, após essa seleção, será feita a leitura criteriosa dos hipertextos, para a identificação dos pronomes relativos como elos semânticos responsáveis pelos sentidos do texto. Os resultados decorrentes da análise dos dados coletados podem contribuir para desvelarmos que, na estrutura hipertextual peculiar aos ambientes virtuais, a coesão textual, assim como nos textos offline, também se manifesta por meio de recursos linguísticos devidamente articulados entre si.

O SUJEITO SURDO E A ESCOLA FORMAL: UMA ANÁLISE DA ESCRITA NA LÍNGUA PORTUGUESA

Renan Pires Azevedo
Rosa Maria Costa Santos

RESUMO: Esta pesquisa objetiva fazer uma análise da escrita do surdo na língua portuguesa, verificando os obstáculos que dificultam a apreensão dessa língua portuguesa na sua modalidade escrita pelo surdo, e a relação desse indivíduo no ambiente escolar, enfatizando em que modalidade de surdo esse indivíduo surdo se enquadra no tocante a aquisição da língua. Assim saber qual tipo de escola frequenta ou frequentou no que diz respeito ao modelo de ensino recebeu esse sujeito no âmbito escolar formal. Será que é uma escola bilíngue ou inclusiva? Cabe ressaltar que a escola não é suficiente para a comprovação da inserção de uma nova língua, a um indivíduo, mas o entendimento de que essa deverá passar a ser inserida no currículo e no programa escolar, abalizando para o acolhimento das diversidades das línguas reconhecendo Libras de fato com a L1 dos surdos, sem deixar de reconhecer o português com L2 de suma importância para pessoa surda. Para efeito de análise, utilizaremos texto escritos por um surdo que tem com sua primeira língua a Libras, como aportes teóricos, faremos pesquisa bibliográfica fundamentado em Goldfeld, Schlünzen e Megale, entre outros, em busca de resposta para nossas inquietações. Nesse sentido, observa-se que as dificuldades do surdo na apreensão do português escrito ainda é muito problemático.

O SURDO E O PORTUGUÊS ESCRITO COMO SEGUNDA LÍNGUA

manuela maria cyrino viana

RESUMO: Refletindo sobre a existência das diferenças na escrita do português pelo surdo, pensamos que a relação dele com duas línguas com diferentes aspectos de interação e aprendizado, nos revela como usa desta escrita. Nosso objetivo é apresentar dados da analise realizada na dissertação de mestrado sobre a produção escrita em Língua Portuguesa como segunda língua por surdos usuários da Língua Brasileira de Sinais. Para tanto por meio de um levantamento e uma leitura reflexiva das fontes bibliográficas relacionadas com nosso objeto de estudo; discorreremos como a aprendizagem da língua portuguesa pelo surdo é um processo complexo, e como o português escrito como segunda se apresenta nessa relação. Percebemos a importância de apresentar a relação do surdo usuário de língua de sinais como primeira língua, demonstrando a influencia que a mesma estabelece na vida deste sujeito, as dificuldades/facilidades por ele encontradas na escrita do português. Nesta perspectiva, esse trabalho ira auxiliar no surgimento de novas proposta de ensino do português para o surdo, auxiliando na compreensão da Libras como primeira língua e o português como segunda e fornecendo subsídios imprescindíveis para contribuir para a formação de cidadãos mais conscientes e integrados socialmente.

O TEXTO DO ALUNO SURDO NO ENSINO SUPERIOR

NAYSA CHRISTINE SERRA SILVA
Thelma Helena Costa Chahini

RESUMO: O contexto de produção de textos no Ensino Superior é de grande demanda. Em todas as disciplinas, os alunos precisam elaborar resumos, resenhas, relatórios, artigos, questionários, entrevistas, formulários, tabelas e monografias. Todos esses documentos, no Brasil, em Língua Portuguesa. Os alunos surdos têm, neste contexto, têm o seu direito de comunicação e aprendizagem, conforme o decreto Nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005, que garante a eles tal acesso aos conhecimentos, porém a produção textual, assim como a avaliação escrita se dará em Língua Portuguesa. Diante deste cenário, esta pesquisa tem o objetivo de analisar as produções textuais dos alunos surdos dos cursos de graduação da Universidade Federal do Maranhão, destacando as possíveis dificuldades na estrutura sintática e/ou semântica dos documentos produzidos com fins de obtenção de aprovação. Assim, para arcabouço teórico, Antunes, Bagno, Ferreira, Barroso, Silva e outros foram consultados. Os dados obtidos, até este momento, mostram que o aluno surdo, de diversas faixas etárias, no contexto de produção literária universitária, tem muita dificuldade, pois seus textos não apresentam conectivos (preposições e conjunções), conjugação verbal, diferenciação entre singular e plural e o uso do artigo definido.

O uso de metáforas primárias presentes em textos produzidos nas redes sociais

Mariana Martins Arouche
Marize Barros Rocha Aranha

RESUMO: O presente trabalho faz parte de um projeto de pesquisa ainda em andamento que tem como objetivo principal identificar metáforas primárias presentes nos discursos desenvolvidos nas redes sociais. As pesquisas são fundamentadas nas teorias de metáfora de Lakoff e Johnson, autores do livro Metaphors we live be, mostrando a metáfora não mais como um simples adorno linguístico, mas como uma figura de pensamento enraizada em nosso cotidiano. Analisaremos os discursos e os modelos mentais por eles construídos no momento da elaboração de tais textos. Neste sentido, a abordagem teórica escolhida para o desenvolvimento desta pesquisa, firma-se na teoria da Linguística Cognitiva (LC). Essa perspectiva linguística traz uma visão da linguagem como forma de conhecimento por meio da experiência humana do mundo. A linguagem não integra um componente autônomo da mente, ela depende de outras faculdades mentais. As bases de organização de sistemas conceptuais, os princípios de categorização da realidade, os mecanismos de processamento, a experiência individual, social e cultural constituem manifestações de capacidades cognitivas e devem ser tratadas como unidades e estruturas da língua. Para materialização desta pesquisa, selecionaremos textos presentes em uma gama de páginas de redes sociais nos anos de 2016 a 2018. Serão organizados dados discursivos por meio da análise dos textos a respeito do conteúdo linguístico presentes nos mesmos. Espera-se que ao final da pesquisa identificar a relação entre as metáforas primárias e sua influência na elaboração dos textos, e como essas metáforas ligam a teoria ao modelo presente, garantindo uma melhor compreensão e interpretação textual e social.

O uso do aplicativo de quis Kahoot! no processo de aprendizagem de língua espanhola

Natyara Carvalho Araujo

RESUMO: Este estudo, em fase inicial, tem como objetivo analisar as implicações do uso do aplicativo de quiz Kahoot! no processo de aprendizagem de espanhol como língua estrangeira (ELE) e verificar o processo de mobilização de estratégias individuais de aprendizagem (EA) de natureza metacognitiva e afetiva (OXFORD,1990) pelos aprendizes dessa língua estrangeira. Para tal, partimos das seguintes questões: quais as implicações do uso do aplicativo de quiz Kahoot! na mobilização de EA?; que estratégias de aprendizagem individuais emergem do uso do Kahoot! no processo de ensino eaprendizagem?; de que forma o uso do aplicativo de quiz Kahoot! no processo de ensino e aprendizagem promove a mobilização de estratégias metacognitivas de auto-avaliação e/ou auto-aprendizagem por aprendizes de língua espanhola? No que tange à concepção de aprendizagem de língua, orientamo-nos pela teoria da complexidade (LARSEN-FREEMAN, 1997), segundo a qual a aprendizagem constitui-se como sistema adaptativo complexo (SAC) por resultar da interação aleatória de uma pluralidade de fatores, entre os quais a instrução formal. Para viabilizarmos estudo, aplicamos o quiz com os aprendizes, realizamos entrevistas, coletamos narrativas de aprendizagem (NA) e analisamos os resultados.

O USO DOS GÊNEROS TEXTUAIS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

ANA LÚCIA ROCHA SILVA
GEISA FERNANDA MELO DINIZ

RESUMO: Entende-se por gêneros textuais todos os textos encontrados em nossa vida cotidiana, os quais apresentam padrões sociocomunicativos com características definidas por funções, objetivos enunciativos e estilos concretamente realizados na integração de forças históricas, sociais e institucionais. Assim, tais características acerca desta forma de comunicação dão abertura para a possibilidade de os professores de Língua Portuguesa lançarem mão dos gêneros textuais enquanto ferramentas no processo de ensino e aprendizagem. O presente trabalho, que será feito a partir do método de pesquisa qualitativo, tem como objetivo analisar o desempenho dos alunos em uma turma do 6º ano do Ensino Fundamental II da escola Unidade Integrada Vila Embratel, localizada no bairro Vila Embratel, São Luís – MA, a partir da aplicação de atividades de leitura e escrita de determinados gêneros textuais durante algumas aulas da disciplina Língua Portuguesa. (pesquisa em andamento). Além disso, o trabalho utilizará como referencial alguns teóricos como Marcuschi, Bazerman, Bronckart, entre outros que lecionam sobre o uso dos gêneros textuais como meios de ensino em diversas disciplinas. Espera-se, com a realização desta pesquisa, confirmar que o uso dos gêneros textuais como ferramenta didática de ensino nas aulas de Língua Portuguesa auxilia de forma positiva no aprendizado dos alunos.

Os Contextos Teóricos da Interpretação Textual

Walisson Paz Cavalcante

RESUMO: O presente trabalho visa analisar a interpretação textual, a partir de uma pesquisa exploratória de Baktin(1997), Koch(2018) e Geraldi(2013) fazendo uma caracterização sobre os contextos teóricos que perpassam esse processo de ler e compreender os textos escritos. Para tanto, adota-se a perspectiva dialógica de Baktin (1997) que caracteriza a construção de sentido do texto pelo diálogo que se deve instaurar entre o autor, leitor e o texto e, em especial, a postura ativa do leitor na construção de enunciados respostas aos enunciados do texto. Nesse processo interacional, evidencia-se também de acordo com Koch(2018) a importância das inferências textuais na manutenção desse diálogo. E o conceito de Interpretante de Peirce em Geraldi (2013), que contribui para a manutenção dessa interação ao ressaltar que o leitor deve, durante o processo de interpretação textual, reconstruir o caminho percorrido pelo autor na produção do seu texto, para observar as estratégias utilizadas nessa produção, uma vez que elas serviram como pistas para nortear o leitor e, assim , afastar os interpretantes que não condizem com as construções de sentido pretendida pelo autor.

Os dêiticos e a construção de sentidos em textos verbo-imagéticos do gênero propaganda

Evando luiz e silva soares da rocha

RESUMO: Desde as discussões filosóficas sobre a linguagem humana até o contexto contemporâneo de estudos sobre referenciação em Linguística de Texto, a função de “apontar para” conferida aos dêiticos desperta investigações sobre o que de fato é ou não dêixis. Através deste trabalho, objetiva-se discutir o papel dos dêiticos em textos verbo-imagéticos do Gênero Propaganda, bem como demonstrar como as diversas classificações desse fenômeno cunhadas no campo das abordagens linguísticas atuam na construção de sentidos de textos do respectivo gênero. Nesse intento, propõe-se uma pesquisa quali-descritiva, a partir de um recorte do projeto de pesquisa intitulado “Deixis e a construção da persuasão em textos verbo-imagéticos do gênero propaganda”. Assim, debruça-se sobre a vasta Literatura da área, donde destaca-se as contribuições de autores, como: Cavalcante (2000, 2012,), Cruz (2011), Fiorin (2011), Silva (2011), Cavalcante, Custódio Filho e brito (2014), Leal (2015), Ciulla e Martins (2017) e Ciulla (2018), dentre outros autores, que retomam, discutem e aprofundam a noção de dêixis. Assim, espera-se contribuir para a ampliação e entendimento da noção de dêixis nos estudos da linguagem envolvendo diferentes semioses no âmbito da Linguística de Texto.

Os erros como produtores de conhecimento sob a perspectiva da analise dos erros dentro do processo de ensino e aprendizagem de uma segunda lingua

Luis Cesar Martins Dias

RESUMO: De acordo com UNICEF, o Brasil tem de 2 (dois) a mais anos de atraso escolar, baseado em dados obtidos do Saeb (2017), 7 (sete) em cada 10 (dez) alunos do ensino médio tem nível insuficiente, menos de 4% (quatro por cento) tem conhecimento adequado nas disciplinas, 71% (setenta e um por cento) foi classificado como insuficiente e 23% (vinte e três por cento) estão no nível básico. Diante disso, buscaremos analisar como os erros dos aprendizes são abordados pelos professores durante o processo de ensino e aprendizagem de uma segunda língua e levantar questões relativas às possibilidades do uso da interlíngua como ferramenta de apoio pedagógico no processo de ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras, em particular o ensino da língua inglesa. Através de dados coletados em bibliografias, pesquisas de caráter qualitativo e com fundamentação teórica baseada em trabalhos desenvolvidos por pesquisadores tais como Selinker, Corder, Moita Lopes e outros, que na década de 60 deram início aos estudos que resultaram na teoria da interlíngua. Se procurará estabelecer os resultados promissores quanto ao uso da análise dos erros no processo de ensino e aprendizagem de uma segunda língua.

Os mecanismos de construção do cômico: uma análise dos de Humberto de Campos

Dino Cavalcante

RESUMO: Humberto de Campos (1886-1934), embora mais conhecido como autor de Memórias, do Diário Secreto e de O Monstro e outros contos, é autor diversos livros de narrativas curtas (contos miúdos), como Tonel de Diógenes, A serpente de bronze, Pombos de Maomé, Grãos de mostarda, Alcova e salão, entre outros, cuja temática quase sempre é a construção do riso. Nessas narrativas, o autor usa como artifício para construir o cômico a ironia, a sátira, o exagero, a metáfora, o rebaixamento, a degradação, a obscenidade, a ambiguidade, a polissemia, etc. São contos em que destoam esses elementos que constroem a comicidade (quase sempre de palavras, poucas vezes de situação). Nesta comunicação, propomos analisar alguns procedimentos discursivos e interdiscursivos e os efeitos de sentido usados por Humberto de Campos para a construção do riso. Para entender as formas de construção do cômico, usaremos as teorias definidas pelo Russo Vladimir Propp, em Comicidade e Riso (1992), em que aborda os vários tipos de riso, e Henri Bergson, em O riso (1983), em que discute as formas linguísticas que geram a comédia.

OS PROCESSOS REFERENCIAIS NO FILME QUE HORAS ELA VOLTA

Denise Teixeira Marques
Maria Rosiane Santos Lima

RESUMO: Ao entendermos o texto como um evento comunicativo (BEAUGRANDE, 1997) admitimos a complexidade do texto e a convergência entre as relações linguísticas, sociais e culturais para a construção de sentido. A partir de uma abordagem sociocognitivista, este trabalho tem como objetivo discutir a recategorização enquanto processo que designa os referentes (e as realidades) por meio do fenômeno dêitico. Ao entendermos que as práticas sociais também são fatores que constituem a intersubjetividade das negociações de sentido durante as (re)construções dos objetos de discurso, (MONDADA; DUBOIS, 2002), analisamos os mecanismos discursivamente (re)construídos na interação conversacional do filme Que horas ela volta? e seus efeitos de sentido para os relacionamentos sociais da trama. Percebemos nas cenas analisadas que o uso dos dêiticos como elementos recategorizadores revelam e evidenciam a existência de uma configuração de papéis sociais, do campo como uma organização social discursivamente construída (HANKS, 2008). Concluímos que os encadeamentos discursivos são construídos a partir das versões públicas do mundo dos participantes do jogo comunicativo, situando-se nas interações sociais e na realidade baseada nas práticas culturais estabelecidas de forma contextual.

Os traços de intencionalidade argumentativa presentes em slogans de Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho

Andréia Dellano Mendes Nunes
Marize Barros Rocha Aranha

RESUMO: A linguagem, considerada como forma de ação dialógica, é dotada de intencionalidade e atua sobre o comportamento do outro, levando-o a partilhar juízos. Esse poder argumentativo, que visa não apenas convencer, mas persuadir, evidencia-se, especialmente, na linguagem publicitária, cujo objetivo é vender serviços e ideias, alcançando o enunciatário, de modo a conduzi-lo a uma significação específica que é, muitas vezes, a de comprar o produto apresentado, aderir a ideias ou, até mesmo, mudar de atitude diante do que é oferecido por meio da comunicação. No discurso publicitário, há uma articulação de recursos visuais, sonoros e técnicas que constroem uma rede de ações, cujo efeito na recepção poderá ser de caráter consumista ou ideológico. Ancorados nos estudos de Brasil (1953; 1971; 1978; 1991) sobre a Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho, Reboul (1977) acerca do slogan, a abordagem de Koch (1984) para com a intencionalidade e os entrelaços da Argumentação e da linguagem e o persuadir com Amossy (2018), analisaremos, nesse trabalho, os traços de intencionalidade argumentativa presentes em cinco propostas de slogans de um site de domínio público especialista em atividades inovadores e criativas para os programas de Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho.

POR UMA CONCEITUAÇÃO DISCURSIVA DE DIÁLOGO

José Wesley Vieira Matos
Maria Bianca da Silva Marques

RESUMO: Nossa pesquisa tem por objetivo identificar e comparar as definições relacionadas ao conceito de diálogo na Linguística Textual, Análise do Discurso e Análise da Conversação, a fim de propor um sistema de conceituações discursivo visando uma precisão terminológica na convergência dessas áreas. Para isso, investigamos as proposições de Kerbrat-Orecchioni (2006), Marcuschi (2006, 2008), Blancafort e Valls (2007), Bakhtin (1979/ 2003) e Pauliukonis e Cavalcante (2018) que ocupam-se de classificar conceitos relativos a diálogo, além de fundamentarmos nossa proposta categorial, principalmente, em Maingueneau (2001, 2005, 2006, 2015). Compreendemos que, por vezes, certas flutuações e/ou multissignificação terminológicas geram confusões conceituais, sendo necessário assumir certos postulados para melhor precisar determinados fenômenos textuais-discursivos. No núcleo de nossa reflexão, faz-se necessário distinguir entre um primado do Outro (ou dialogismo) enquanto pressuposto teórico, a definição de diálogo como hipergênero do regime instituído, a definição de conversa enquanto forma enunciativa do regime conversacional e os pormenores de uma cenografia ou cena dialogal. Dessa forma, pretendemos com nossa proposta, que na imbricação das áreas mencionadas possa-se delinear as fronteiras entre as múltiplas ocorrências textuais as quais nomeamos diálogo.

PRÁTICAS DE OBJETIVAÇÃO/SUBJETIVAÇÃO: UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE MATÉRIAS JORNALÍSTICAS LUDOVICENSES SOBRE OS SUJEITOS QUE OCUPAM

Gisélia Dias Costa

RESUMO: Esta comunicação parte da observação de que a mídia (jornais locados em plataformas digitais, neste estudo) tem papel importante no processo de subjetivação de sujeitos que ocupam informalmente espaços da cidade de São Luís, pois revela distintos olhares sobre esses sujeitos, que os objetivam e/ou subjetivam como responsáveis (ou não) pelos processos de ocupação da cidade, excluindo desse cenário, muitas vezes, instituições do poder publico e/ou privado, também responsáveis pelos problemas de moradia da capital (TAVARES, 2017). A pesquisa busca o entendimento de práticas de objetivação/subjetivação (FOUCAULT, 1995) que circulam na cidade de São Luís a partir da análise de discursos que envolvem casos de ocupação de espaços na Grande São Luís, como prédios abandonados, ruas ou mesmo terrenos. A problemática do estudo consiste em responder: quais práticas de objetivação/subjetivação são realizadas por jornais locais sobre os sujeitos que lutam pela ocupação de espaços em São Luís? O trabalho ampara-se em conceitos da Análise de Discurso francesa, de perspectiva foucaultiana e o corpus é constituído por duas matérias do jornal Imirante.

PROCESSO DE (RE)CATEGORIZAÇÃO DO OBJETO DE DISCURSO MARIELLE FRANCO NO CIBERESPAÇO

João Paulo Fonseca Nascimento
Geralda de Oliveira Santos Lima

RESUMO: Neste trabalho, intentamos discutir sobre o fenômeno da recategorização referencial (SILVA; CAVALCANTE; BRITO, 2015), estabelecendo um diálogo com a Análise Crítica do Discurso (VAN DIJK, 2012), no âmbito da Linguística de Texto contemporânea. Dessa visada, sob uma abordagem sociocognitivo-interacional, analisaremos como o objeto de discurso (MONDADA; DUBOIS, 2003) Marielle Franco é (re)categorizado em matérias do Portal Uol e em seus respectivos comentários, publicados na fanpage do portal no Facebook, no dia em que se fez memória de um ano da execução da vereadora. Para tanto, concebemos o texto como um objeto dinâmico, processual e sociocultural. Entendemos que, ao nos propormos observar mecanismos linguísticos no processo de (re)construção de textos e de sentidos, não é justo que nos furtemos ao papel político e crítico do sujeito (ANDRADE, 2017) que produz o texto, bem como ao compromisso de lidar com questões sociais e políticas na análise das práticas de linguagem. Como metodologia de trabalho, optamos pela pesquisa descritiva e pela abordagem qualitativa.

PROCESSOS DE REFERENCIAÇÃO EM TEXTOS DE ALUNOS SURDOS

Camélia Sheila Soares Borges de Araújo

RESUMO: Desde o início dos estudos da linguagem humana até a contemporaneidade, coexistem diferentes formas de conceber os fenômenos linguísticos. Essa premissa é muito válida para textos escritos em Língua Portuguesa que é a língua alvo de pesquisas em diferentes áreas. Em nossa pesquisa estudaremos os textos escritos em Língua Portuguesa por alunos surdos. Nosso objetivo é buscar compreender como esses alunos fazem uso dos processos de referenciação em seus textos de forma a fazer a evolução dos fatos e do próprio texto. Para isso utilizaremos como aporte teórico autores que são referencias na área de referenciação como Mondada e Dubois (1995), Apothéloz e Reichler-Béguelin ([1995] 2018), Cavalcante (2011, 2014, 2016), Cavalcante, Custódio Filho e Brito (2014), Custódio Filho e Silva (2013), Koch ( 2011, 2013, 2016). Da área da Língua Brasileira de Sinais, nos serviremos de autores como Skliar (1999), Silva (2001), Fernandes (2009), Botelho (2010), Ribeiro (2015) e Leal (2016) e Oliveira e Almeida (2017) que tratam sobre Libras e a referenciação. Situamos nossa investigação numa abordagem qualitativa, e, descritiva, pois pretendemos analisar nos textos cada processo de referenciação, descrevendo o uso desses processos. Com essa pesquisa esperamos entender como os surdos se utilizam desses processos em seus textos.

Produção textual no ensino médio: uma análise da informatividade dos textos

Jaqueline Silva Santos
Mônica Valéria Mineiro da Silva

RESUMO: A produção textual na escola é uma questão de preocupação social. Uma estatística realizada pelo G1.com aponta que no ano de 2018 cerca de 112.559 candidatos tiveram suas produções zeradas no Exame Nacional do Ensino Médio. Embora a pesquisa aponte uma queda nesse número em relação a anos anteriores, ainda é preocupante o número de alunos com dificuldades em escrever. Com isso o presente trabalho assume como hipótese considerar que o nível de informatividade nas produções de texto do tipo dissertativo argumentativo é baixo. O objetivo deste trabalho é analisar o nível de informatividade nas produções de texto dos alunos com o propósito de avaliar a razão dos textos escritos apresentarem problemas nesse fator de textualidade. Como aporte teórico foram utilizadas as contribuições dos autores Beaugrande & Dressler (1981) e de Costa Val (1991). A pesquisa ocorreu em uma escola pública de Teresina PI com alunos do 2º ano do Ensino Médio. Foram coletados 10 textos para fazer a análise linguística. Os resultados revelam uma baixa informatividade nas produções textuais em virtude da falta de coerência, o não seguimento dos padrões do tipo de texto solicitado, a falta de clareza, falta de autonomia, a alta previsibilidade das informações, dentre outros.

PRODUÇÃO TEXTUAL E FATORES DE TEXTUALIDADE: uma análise da produção escrita de surdos no ensino superior na cidade de São Luís-MA

GRACY KELIA LOPES SILVA
JACINILDE ESTRELA RIBEIRO

RESUMO: O trabalho tem como foco a compreensão e reflexão sobre o processo e experiências da escrita do português dos surdos graduados ou que estão se graduando em São Luís do Maranhão. É uma pesquisa de cunho qualitativa e leva em consideração o respeito à sua cultura e não deixa de reconhecer o processo de leitura e escrita em que foram submetidos, envolvendo o conhecimento de duas línguas e o contato com poucas experiências significativas com a escrita na vida escolar. Temos como ponto de partida o objetivo de verificar, por fatores textuais, como, coesão e coerência, grau de informação, intencionalidade, aceitabilidade, situação dentro de um contexto de produção textual, aplicamos o trabalho na Associação dos Surdos do Maranhão – ASMA, 07 (sete) surdos com graduação completa e incompleto foram convidados para produzir um texto escrito com tema visual e atual para motivação da produção textual na modalidade escrita, após análise, os resultados descrevem o desafio da adaptação dos sujeitos surdos a um universo majoritariamente ouvinte, as dificuldades de transitar entre a língua de sinais e a língua portuguesa, de pensar em uma língua e escrever em outra, além da dificuldade de reorganizar pensamentos e partir para outro campo na modalidade escrita.

REFLEXÕES SOBRE TEXTO, GÊNERO, DISCURSO E ARGUMENTAÇÃO

Patrícia Sousa Almeida de Macedo

RESUMO: Este trabalho tem como objetivo principal apresentar nossas reflexões atuais sobre a relação entre texto, gênero, discurso e argumentação. Para isso, problematizaremos o modo como a modalidade patêmica é exemplificada por Amossy (2008) em termos de gênero e analisaremos textos produzidos e/ou divulgados pela organização humanitária internacional Médicos sem fronteiras (MSF). Nos termos da perspectiva interdisciplinar apresentada em nossa tese (MACEDO, 2018), estabeleceremos um diálogo entre a Linguística Textual e a Análise da Argumentação no Discurso, proposta por Ruth Amossy, para examinar o modo como os textos materializam e instituem o discurso de apelo à ajuda humanitária e a modalidade argumentativa patêmica, inerente a esse discurso. Nossas análises preliminares do corpus nos permitiram perceber, entre outras coisas, que: i) o apelo à ajuda humanitária, diferentemente do que afirma Amossy (2008), não consiste em um gênero, mas em um discurso; ii) são diversos os gêneros que permitem a atualização/materialização do discurso de apelo à ajuda humanitária; e iii) uma das marcas textuais típicas desse discurso é a sequência descritiva.

RELAÇÕES INTERTEXTUAIS EM TIRAS DE "UM SÁBADO QUALQUER", DE CARLOS RUAS BON

MARIANA MACHADO DE SOUSA

RESUMO: A intertextualidade é, no texto, um fenômeno de grande relevância para a produção de sentidos, concretizada a partir de diferentes recursos autorizados e resgatados em uma parceria entre produtor e leitor. A intertextualidade direciona o leitor nessa construção a partir das marcas explícitas ou implícitas deixadas pelo autor e recuperadas, ou não, por meio dos conhecimentos compartilhados. Diante dessa relevância, surge o presente artigo, recorte da pesquisa de dissertação em andamento, que objetiva investigar as relações intertextuais nas tiras de “Um sábado qualquer”, buscando responder, por meio da análise de duas tiras: Como a intertextualidade se manifesta nessas Tiras? E como as relações intertextuais interferem na construção dos sentidos e do alcance dos propósitos comunicativos pretendidos? O estudo baliza-se nas contribuições de: Genette ([1982]2010), Piègay-Gros ([1996]2010), Koch; Bentes e Cavalcante (2012), Nobre (2014), Faria (2014), dentre outros. Como procedimentos metodológicos busca-se uma aproximação do quadro proposto por Nobre (2014), bem como as postulações de Faria (2014). As análises permitiram ratificar que o fenômeno da intertextualidade é fundamental para a produção dos sentidos, bem como para a produção do humor e da argumentação – características essenciais das tiras analisadas.

Remodelação dos gêneros textuais nos segmentos de revista e blog de moda

Joeliza Colares

RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo explicar os ajustes realizados cronologicamente dentre os segmentos de revistas de moda. Devido às práticas sociais, formou-se um novo hipergênero, o qual passou a ser utilizado por blogs de moda, assim nomeado socialmente. Nesse propósito, a temática emergiu de uma tentativa de interligar a Linguística Textual com o universo da moda, para que compreendamos a remodelação dos gêneros textuais nas esferas mais contemporâneas. Seguiremos os parâmetros do teórico Bakhtin (1997), o qual fala na ‘transmutação’ dos gêneros e na assimilação de um gênero por outro, possibilitando o surgimento de novos. Dessa forma, utilizaremos como embasamento os trabalhos de Bakhtin (1997); Marcuschi (2003); Bonini (2005, 2011); e, Cavalcante (2012). Os fatores comunicacionais dessa linguagem vêm conquistando seu espaço na sociedade e direcionando-se para uma proporção cada vez maior. Assim sendo, analisaremos a revista Vogue Brasil (2019) da editora Edições Globo – Condé Nast e o blog de moda Super Vaidosa (2019), dirigido por Camila Coelho.

REPRESENTAÇÃO DO IRMÃO NA OBRA, PROIBIDO ROUBAR NA QUEBRADA: TERRITÓRIO, HIERARQUIA E LEI NO PCC DE KARINA BIONDI

Carlos Eduardo de Paula Santos

RESUMO: Este trabalho apresenta um estudo sobre a construção da identidade dos “irmãos” (membros) da facção criminosa, intitulada Primeiro Comando da Capital, na obra, Proibido Roubar na Quebrada – Território, Hierarquia e Lei no PCC, de Karina Biondi (2018), decorrente de pesquisa realizada nas periferias da cidade São Paulo. Para tanto, adotamos o aporte teórico da Análise do Discurso Crítica (ADC) proposta por (Chouliaraki e Fairclough, 1999; Fairclough, 2001 e 2003a) que consideram o discurso como uma forma de prática social, um modo de ação sobre o mundo e a sociedade. O nosso objetivo é analisar como se constitui discursivamente a identidade social dos membros do PCC descritos na obra, as relações de poder presentes nos discursos e as implicações sociais do mesmo. O corpus da pesquisa consiste de excertos selecionados a partir do livro, levando em consideração o discurso direto dos “irmãos” e tendo como critério de análise das representações, os significados acional, representacional e identificacional presentes no texto. As categorias de análise utilizadas serão a intertextualidade, a interdiscursividade, a modalidade e a avaliação. Observando, assim, como os indivíduos lexicalizam o mundo, destacando que os sujeitos estudados representam-se através dos discursos, e que as identidades são, portanto, atos de criação linguística.

Sexismo na linguagem: uma dominação silenciosa

ROSANGELA DOS SANTOS PEREIRA

RESUMO: Esse estudo problematiza a partir dos estudos de gênero e da história das mulheres, as relações de poder que ocorrem no plano das representações linguísticas produzidas, tanto pelo Androcentrismo na cultura em geral, quanto no plano da norma culta da língua com o uso do masculino genérico na escrita. Observando como a cultura androcentrica e o masculino genérico se retroalimentam produzindo sexismo e desigualdade de representação na linguagem. O objetivo desse estudo é contribuir para um debate necessário na construção de uma linguagem inclusiva e não sexista. Para tanto investiga como as relações de gênero no século XXI estão sendo processadas na escrita dos livros didáticos, e como essa escrita tem destacando o lugar das mulheres e dos homens nos processos históricos. Analisa especialmente como as práticas sociais são representadas nas práticas da linguagem e como são reproduzidas através desta, relações de poder, silenciamentos, vozes e tensões. Nesse sentindo esse estudo analisa o conteúdo e o discursos gerados no interior das relações de gênero presente nas narrativas e explicações dos acontecimentos históricos.

Sobre a noção de dêixis e critérios para tipologias dêiticas

Alena Ciulla

RESUMO: Como parte de um projeto de pesquisa de natureza explicativa, pautada por pressupostos enunciativos de funcionamento da linguagem, neste trabalho são apresentados alguns aspectos comuns, mas também dissonâncias, entre as perspectivas sobre a dêixis de Bühler e Benveniste. Este estudo se faz relevante, em primeiro lugar, porque as diferentes classificações de dêiticos que encontramos na literatura sobre o assunto - que partem todas, manifestamente ou não, desses dois autores - apresentam sobreposições e/ou incongruência de critérios. Essa constatação, por si só, justifica o trabalho de retorno aos autores, repensando o que está na base de qualquer classificação de dêiticos, que é a própria definição de dêixis. Além disso, com o avanço dos estudos do texto, promovido pela vertente da Referenciação, em Linguística Textual, no Brasil, cuja reflexão sobre texto envolve observar os diferentes processos referenciais na análise da construção dos sentidos, os dêiticos assumem lugar de destaque. E para este tipo de análise, em que se recorre, frequentemente, às tipologias, é crucial tanto compreender os critérios que as fundamentam quanto buscar critérios que possam nortear classificações mais consistentes.

SOBRE A NOÇÃO DE EMOÇÃO E PATHOS EM UMA ANÁLISE TEXTUAL DA ARGUMENTAÇÃO

Rafael Lima de Oliveira
Mônica Magalhães Cavalcante

RESUMO: Figura presente na obra mais clássica sobre retórica – a Retórica, de Aristóteles –, o pathos, termo grego com significados múltiplos e traduções, por vezes, variadas, pode ser interpretado como afeto, emoção, sentimento e paixão. Na Retórica, mais especificamente, foi considerado como elemento suscitado no auditório para alterar seu juízo sobre as coisas e é estabelecido ao lado de outros dois elementos, o ethos e o logos. Este trabalho visa refletir sobre as noções de emoção e pathos nos estudos discursivos, no intuito, primeiramente, de distingui-las e, em seguida, eleger algumas aproximações teóricas para uma análise do pathos mais condizente com os pressupostos da Linguística Textual. Para tanto, confrontaremos as definições e as reflexões acerca dessas noções para os autores Aristóteles (2012), Micheli (2008), Maingueneau e Charaudeau (2016), Charaudeau (2010), Plantin (2016) e Amossy (2018). Esse cotejamento permitirá a compreensão de que a emoção, como realidade vivenciada por um sujeito, não corresponde a um objeto de investigação linguística. No entanto, quando discursivisada, isto é, manifestada em texto, passível de análise e interpretada como um efeito visado por um locutor, deve ser tratada como pathos, tendo em vista que sempre corresponderá a uma estratégia de persuasão que visa atingir um objetivo.

Sobre efeitos de sentido de tipos dêiticos

Mayara Arruda Martins

RESUMO: Este trabalho se propõe a analisar efeitos de sentido gerados pelo estudo da dêixis em contexto. Em Martins (2019), propomos um quadro de caracterização de tipos dêiticos em que reunimos oito tipos propostos por trabalhos da literatura especializada, a saber: pessoal, temporal, espacial, social, textual, memorial, modal e fictivo, presentes em estudos como o de Cavalcante (2000), os de Ciulla (2002, 2008), e os de Fonseca (1992, 1996), a partir da análise de textos com gênero e conteúdo temático diversificados, pois visamos à manifestação do fenômeno discutido e aos efeitos de sentido gerados por ele. Ao discutirmos sobre os efeitos de sentido que os dêiticos podem exercer em contextos de uso, constatamos que: 1) a dêixis é responsável por transmitir efeitos de identificação entre os interlocutores; 2) as marcas dêiticas expressam a orientação argumentativa de um texto; 3) os pontos de vista dos interlocutores estão ligados à dêixis pela característica enunciativa, pois ela aponta para traços da própria enunciação, explicitando o caráter interativo entre locutor e interlocutor; 4) os tipos de dêixis cumprem função metadiscursiva, permitindo que o locutor se dirija ao interlocutor a fim de chamar a sua atenção, influenciá-lo ou torná-lo participante direto da atividade comunicativa, entre outros.

Sobre intertextualidades estritas e amplas

Ana Paula Lima de Carvalho

RESUMO: Propomos uma reflexão teórica acerca do fenômeno textual-discursivo das transtextualidades, descritas por Genette ([1982]2010), repensando-as e redistribuindo-as em dois grandes grupos, a que nomeamos de intertextualidades em sentido amplo e intertextualidades em sentido estrito. Partimos do quadro analítico desse autor, que analisou as relações de diálogo entre textos, gêneros e estilos, pautando-se por critérios estruturais e funcionais, para apresentar um redimensionamento das categorias, a fim de dar conta de descrever, sob a ótica da Linguística Textual, ocorrências manifestadas também em textos multissemióticos e de diferentes domínios discursivos. A delimitação de nossa proposta se deve, basicamente, à identificação de lacunas nas pesquisas anteriores, a partir das quais foram elaboradas nossas hipóteses, de modo a tentarmos estabelecer critérios classificatórios que deem conta de incluir a multissemiose que marca inúmeros textos. Defendemos que as intertextualidades se distinguem constitucionalmente em duas grandes categorias: estritas e amplas. A primeira abriga os casos em que é possível retomar o(s) texto(s) original(is) a que se recorreu, os quais foram subdivididos em: copresença, transposição, paródia e metatextualidade. A segunda, que se refere às relações estabelecidas entre um texto e um conjunto de textos, comporta os casos de imitação e de alusão ampla.

SUJEITO - HOMEM - ELEGANTE: CORPO NORMATIZADO PELA MODA NA REVISTA ELEGANTE (1892)

Denisy Feitoza Aires
Ilza do Socorro Galvão Cutrim

RESUMO: Este trabalho busca evidenciar os enunciados que constituíram saberes e poderes no campo da moda que moldaram o homem ludovicense, entre o fim do século XIX e início do século XX. A moda, no período citado, se manifestou como um dispositivo por meio do qual se construiu o sujeito-homem-elegante a fim de alcançar um ideal de civilidade e elegância. Para se adaptar à modernidade, São Luís pautava-se no padrão de vestimenta parisiense, tomado como farol de elegância, já que a maneira de vestir-se era item de distinção para aqueles que buscavam ter prestígio social. Em nosso trabalho, analisamos um folhetim retirado da Revista Elegante (1892), a fim de elencar quais saberes que circularam na mídia sobre a moda constituíram determinadas subjetividades sobre os sujeitos e quem foi autorizado a dizê-los. Para isto nos pautamos nos conceitos da Análise do Discurso e de dispositivo conforme Marcello (2004) e Paixão (2015). Para compreender a moda na capital maranhense na fase determinada, nos apropriamos de Silva (2008), Melo e Souza (1987) e Harvey (2003). Moda e mídia são consideradas dispositivos que controlaram o corpo do homem ludovicense, de modo que este é fabricado como elegante e civilizado.

TEXTOS MULTIMODAIS: SEMIÓTICA E MULTIDISCIPLINARIDADE NAS CAPAS DA REVISTA DE HISTÓRIA DA BIBLIOTECA NACIONAL

CLEUDINEA PAURÁ SILVEIRA
PATRÍCIA PINHEIRO MENEGON

RESUMO: O significado de texto pode ser conceituado superficialmente como algo escrito e, portanto, decodificado por alguém, isto é, nessa concepção, o texto é utilizado apenas como produto, focalizando as estruturas e estabelecendo vínculos, somente com a própria língua. Contudo, na visão de texto como comunicação é preciso não somente seguir a coesão e a coerência, cujos critérios direcionam às questões de cunho estritamente linguístico, mas também aderir a outros cinco princípios que caracterizam um texto comunicativo: situacionalidade, intencionalidade, aceitabilidade, informatividade e intertextualidade. Entretanto, com o avanço das pesquisas da Linguística Textual, essa visão sobre o objeto em questão se modificou e assim surgiram outras vertentes, como a abordagem da multimodalidade que o compreende como objeto de caráter interdisciplinar. Assim, no sentido mais estrito a principal característica dessa modalidade de texto é a composição semiótica. A partir dessa concepção, fundamentado em DIONÍSIO (2011, 2013, 2014 ), este estudo centra-se em analisar algumas capas da revista titulada “Revista de História da Biblioteca Nacional”, de modo mais específico visando dois objetivos: identificar as relações semióticas, por que nos textos escolhidos existe essa interação e em segundo, identificar quais as outras Ciências, além da Linguística Textual, contribuem com esse canal de entretenimento cultural.

TURISMO E LIBRAS: ACESSIBILIDADE NOS LENÇÓIS MARANHENSES.

ILKA JANAIRA MARTINS PADILHA PINHEIRO
NAYA SILVA PEREIRA FERREIRA

RESUMO: O Ministério do Turismo recomenda ao segmento do turismo social, que “[...] é a forma de conduzir a atividade turística promovendo a igualdade de oportunidades, a equidade, a solidariedade e o exercício da cidadania na perspectiva de inclusão social”. Desse modo, o presente trabalho tem como objetivo apresentar um guia turístico em LIBRAS-Língua Brasileira de Sinais, para o turismo nos Lençóis Maranhenses. O Turismo na região de Barreirinhas vem crescendo a LIBRAS tem potencial de ampliar a atividade turística na região, contemplando a acessibilidade linguística em Libras, segunda língua oficial do país. Devido ao crescente contingente populacional de pessoas surdas, que também procuram a região para usufruir das belezas naturais que o local dispõe se deparam com a dificuldade de acesso a comunicação. O presente estudo pretende alavancar o turismo na região, compreendendo a importância e necessidade de acessibilidade desse público e por meio do acesso a cartilha em língua de sinais que pode minimizar a barreira de comunicação existente e fornecer uma receptividade aos surdos que vem para a região. Este trabalho fundamenta-se em (SKLIAR 1998, FEITOSA 2010 STROBEL 2008, SASSAKI 2003, AGUIRRE 2003).Apontam que a comunicação é considerada pelas pessoas surdas como a principal barreira, fazendo-os sentir-se como estrangeiros em seu próprio país.

Uma reflexão sob olhar discursivo acerca da prática tradutória

Dandara Mesquita Melo
Marize Barros Rocha Aranha

RESUMO: Historicamente, a tradução tem tido importante função de mediadora de culturas e divulgadora de conhecimento, porém foi tradicionalmente marginalizada, avaliada por critérios como fidelidade, neutralidade e equivalência de sentidos entre contextos de chegada e partida. Tal visão está pautada em noções estruturalistas de sentido como algo estável e contido no texto, em que a interpretação do tradutor representa uma interferência na decodificação. Considerando o percurso dos estudos de linguagem no que diz respeito à construção do sentido, neste trabalho entendemos a tradução como um processo complexo no qual o tradutor deve sempre levar em consideração que o texto não pode ser entendido isolado da materialidade discursiva. O objetivo do presente trabalho é problematizar o processo tradutório à luz de teorias discursivas e culturalistas, buscando investigá-lo considerando aspectos constituintes da construção do sentido para que se possa chegar ao entendimento do próprio ato de traduzir. Para tanto, com ênfase nas contribuições de Michel Foucault, mobilizaremos conceitos centrais da Análise do Discurso Francesa, tais como os de heterogeneidade discursiva, sujeito, condições de produção, silenciamento, memória discursiva e formação discursiva, aplicando-os a noções críticas e culturalistas dos Estudos de Tradução sobre o fazer do sujeito-tradutor.

Uma voz que merece ser ouvida: o animal em canções para crianças

Maria das Dores Nogueira Mendes

RESUMO: A partir de quatro domínios de análise: infância, animal, voz e canção, os quais exigem uma articulação entre o plano vocal e verbal, pretende-se dar início a investigação das relações entre homens e animais na música popular brasileira, mais especificamente, em canções para crianças. Para a consecução desse objetivo, fundamentamo-nos na Análise do Discurso, delineada por Maingueneau (1996a/b, 1997, 2000, 2001, 2004, 2005, 2006a, 2006b, 2008, 2010a/b), na zooliteratura, proposta por Maciel (2008), nos trabalhos de Costa (2012) e Gonzalez (2013) e na nossa tese sobre investimento vocal (MENDES, 2013). Nesta pesquisa, detemo-nos no conceito de intervocalidade mostrada para tratarmos da mobilização de vozes de animais pelos intérpretes. Lançamos mão de corpus já constituído no projeto de pesquisa INVOCANÇÕES: Palavra Cantada, Adriana Partimpim, Pequeno Cidadão, Pato Fu, Angélica e Mara Maravilha. Como se trata de pesquisa em andamento, ainda não apresenta resultados, mas apenas a hipótese de que a fala/canto dos bichos é corriqueira na voz dos intérpretes e de que a gestão dessas vozes aponta para diferentes posicionamentos no discurso literomusical para crianças.

Usos do "aqui": para além do simples apontamento espacial

Talliandra Aparecida Fonseca Pereira

RESUMO: Sabemos que, no ato da comunicação, as palavras podem assumir sentidos que vão além do comumente estabelecido. Os dêiticos, definidos pela literatura específica como elementos que criam uma relação entre o cotexto e a situação comunicativa, são exemplos de palavras que, a depender da intenção do locutor, podem ir além do simples apontamento de que são encarregados. Partindo desse pressuposto, este trabalho busca analisar os usos do dêitico espacial “aqui” em textos publicitários de empresas que possuem finalidades diferentes. Para tal pesquisa, fundamentamo-nos em Cavalcante et al (2014) que define seis tipos de dêixis e, entre elas, a espacial e em Ciulla e Martins (2017) que ampliam as discussões sobre dêixis. A análise dos dados se deu de forma qualitativa em anúncios que circulam nos canais de mídia, procurando mostrar, assim, os sentidos que o “aqui” pode assumir e, também, provocar levando em consideração o contexto em que está empregado. As análises apontam para a utilização do dêitico “aqui” como elemento reforçador da persuasão, que é característica dos textos publicitários, e que ele pode provocar diversos sentidos.

VARIAÇÃO SOCIOLINGUÍSTICA: Um estudo de caso na Língua Brasileira de Sinais em São Luís-MA

Renan Pires Azevedo
Naya Silva Pereira Ferreira

RESUMO: Esta pesquisa objetiva verificar as variações linguísticas presentes na Língua Brasileira de Sinais – Libras, especificamente, sinais do campo semântico “Alimentos”, ocorridos na sinalização dos surdos em São Luís – MA. Para tanto, usou-se dois sinais, sendo eles, o sinal de milho e mamão, no intuito de verificar as diferenças nas sinalizações do mesmo. Desse modo, fez-se um estudo acerca da Sociolinguística, enquanto ramo da linguística que estuda a variação existente entre os membros de uma língua, bem como, realizou-se uma pesquisa de campo com entrevista semiestruturada filmada, a fim de captar as peculiaridades de cada sinal realizado pelos participantes. Foi uma pesquisa de cunho quantitativo com dez informantes, sendo cinco do sexo masculino e cinco do sexo feminino entre 19 a 45 anos de idade. Busca-se observar se o fator gênero (mulher/homem) influencia de alguma forma as diferenças de sinalizações. O local da pesquisa foi em dois espaços distintos, numa escola formal e no centro de apoio a pessoa com surdez. Como resultado deste trabalho, podemos observar que as variações dos sinais na Libras usado pelos homens foi proporcional ao das mulheres, isto é, as variações dos sinais que convergiram na sinalização dos homens foram a mesma quantidade das mulheres.

VIA LÁCTEA: UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE A VARIAÇÃO LEXICAL EM SÃO LUÍS - MARANHÃO

Thaynara Souza Ferreira
Georgiana Márcia Oliveira Santos

RESUMO: Apesar de vivermos em um país cujo idioma oficial é o português, não temos uma homogeneidade no falar brasileiro, pois a língua tem um dinamismo inerente, resultando em uma indiscutível heterogeneidade linguístico-cultural. Com base nesse pressuposto, o Projeto Atlas Linguístico do Brasil – ALiB vem realizando a descrição linguística do português falado no país com foco, entre outros aspectos, na variação semântico-lexical que particulariza o português brasileiro. Assim, este trabalho, em desenvolvimento, objetiva investigar as variações denominativas dadas para Via Láctea, na cidade de São Luís –MA, correspondente à questão 33 do Questionário Semântico-Lexical – QSL, do ALiB: “ Numa noite bem estrelada, aparece uma banda ou faixa que fica no céu de fora a fora, onde tem muitas estrelas muito perto uma das outras. Como chamam esta banda ou faixa?”. Para tanto, tomamos como aporte teórico-metodológico os estudos da Dialeotogia e da Geossociolinguística para a análise do corpus linguístico coletado pelo Projeto Atlas Linguístico do Brasil (ALiB). Consequentemente, estamos procedendo à análise de gravações e transcrições dos inquéritos realizados com oito informantes, mulheres e homens, distribuídos equitativamente entre as faixas etárias I (18 a 30 anos) e II (50 a 65 anos), com Ensino Fundamental e Ensino Médio.